Criciúma: CDL projeta incremento de 5% nas vendas de Páscoa

Expectativa é de que as pessoas voltem a se reunir, aumentando o consumo de chocolate e de outros produtos tradicionais da época

Foto: Arquivo/Decom

- PUBLICIDADE -

Mais uma importante data para o comércio está chegando. A Páscoa deste ano ocorre em 17 de abril e já vem movimentando o varejo criciumense como um todo. A expectativa, de acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma, Tiago Marangoni, é de que o incremento nas vendas seja de aproximadamente 5% com relação ao ano passado. “As famílias estão saindo de casa com mais segurança, as crianças estão indo junto. E isso acaba sendo um facilitador na hora da venda. A possibilidade de se reunir novamente, de realizar encontros e jantares, com certeza contribuirá com números positivos nesta Páscoa”, aposta Marangoni.

A expectativa é reforçada por Vanir Aparecida Dalanhol Gonçalves, que resolveu abrir uma franquia da Cacau Show em Criciúma, aproveitando o movimento tradicional da época. Ela conta que percebeu que havia espaço para o negócio em Criciúma, e decidiu investir. “Nossa loja foi pensada com muito carinho, para receber os clientes em um momento tão especial de retomada da economia. Depois de um longo período de pandemia, acreditamos que esta Páscoa marcará uma época, pois estamos nos permitindo voltar a ter contato como tínhamos antes”, explica ela.

- PUBLICIDADE -

Além do tradicional chocolate, outros produtos também vêm caindo no gosto popular. Cestas personalizadas, brinquedos, alimentos funcionais e peças artesanais ganham a preferência do consumidor. “O comércio como um todo ganha com esta data especial. São muitas opções de presente, que com certeza agradarão aos mais diferentes gostos e investimentos”, ressalta Marangoni, que é endossado pelo vice-presidente da Regional Sul da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), Ricardo Althoff. De acordo com ele, a expectativa é de que as vendas supermercadistas aumentem entre 5% e 10% em relação a 2021.

“Justamente por as pessoas estarem retomando as comemorações em família com mais intensidade, a venda de produtos tradicionais da época deve ser impulsionada”, salienta ele. Peixes, azeites, azeitonas e acompanhamentos para a Semana Santa prometem ter grande saída. “Esperamos um bom aumento de vendas, embora saibamos que há o impacto da inflação. Registramos um aumento considerável do cacau e dos insumos nos últimos dois anos, sem contar no diesel, que fez o frete disparar. Há, também, uma tendência de migração do cliente que comprava ovos de Páscoa para aquisição de outros formatos de chocolate, como caixas, barras e bombons. O hábito do consumidor mudou, as pessoas estão em busca de um melhor custo-benefício, mas mesmo assim, acreditamos em um resultado positivo neste ano”, evidencia Althoff.

Tíquete médio de R$ 127 no Estado

Um levantamento realizado pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina (FCDL/SC) aponta que 63,1% dos entrevistados acreditam que as vendas para a data em 2022 serão superiores às registradas no mesmo período do ano passado. Outros 26,1% avaliam que deve ser igual. Também foi identificado que 45,9% disseram que haverá aumento no estoque, 40,5% estão programando alguma promoção e o tíquete médio deve ficar em torno de R$ 127,00.

“O cenário ainda é desafiador, a pandemia do coronavírus já não é o principal entrave e sim a guerra no leste europeu entre a Rússia e a Ucrânia, que deixa o mercado nervoso, e temos ainda o aumento da inflação”, avalia Ivan Roberto Tauffer, presidente da FCDL.

O levantamento da Federação foi realizado com 400 empresas associadas que atuam no varejo em 20 cidades com maior potencial de consumo.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.