Almeida Junior bate recorde de vendas em abril e maio

Os seis shoppings da companhia apresentaram crescimento de 32,8% sobre o mesmo período do ano passado e de 37% na comparação com o período pré-pandemia

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

O ano de 2022 segue em ritmo de crescimento para os seis shoppings da Almeida Junior. A companhia bateu recorde de vendas nos meses de abril e maio. A prévia operacional, que acaba de ser divulgada com dados preliminares, aponta alta de 32,8% em relação aos mesmos meses do ano passado e de 37% na comparação com abril e maio de 2019, período pré-pandemia.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

No acumulado de cinco meses de 2022, as vendas dos lojistas dos shopping centers da Almeida Junior alcançaram um crescimento de 37,5% em relação ao mesmo período de 2021 e de 24,8% em relação aos níveis pré-pandemia de 2019. O bom ritmo continua em junho. Na primeira quinzena do mês, considerando apenas as vendas dos lojistas que já reportaram os resultados do período, foi registrado um ganho de 21,3% na comparação com 2021 e de 35,1% em relação a 2019.

“O bom resultado foi verificado em todos os seis shoppings do grupo Almeida Junior. Temos um sentimento extremamente positivo em relação à continuidade desse crescimento das vendas para os próximos trimestres, as quais são impulsionadas pela contínua qualificação do mix de lojas, pela retomada da realização de eventos nos shoppings e pelo aumento da atratividade aos consumidores qualificados”, afirma o CEO da companhia, Jaimes Almeida Junior.

Os indicadores específicos do setor também refletem o bom momento. O SSS (vendas das mesmas lojas) de abril e maio deste ano apresentou ganho de 26,7% sobre 2021 e de 33,2% sobre 2019. E o SSR (aluguel das mesmas lojas) de 24,1% sobre o ano passado e de 41,8% sobre 2019.

Mesmo com o repasse da inflação e do reajuste dos aluguéis, o portfólio dos shopping centers da Almeida Junior demonstrou resiliência e possui um custo de ocupação competitivo para os lojistas, encerrando os meses de abril e maio em 9,6%. “Este indicador é diretamente impulsionado pela constante busca por processos eficientes de gestão”, acrescenta Jaimes. A taxa de inadimplência líquida sobre a receita total de locação fechou os meses de abril e maio em -0,1%, o menor índice dos últimos anos.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.