Agronegócio representa 60% das contratações do BRDE

Foram injetados R$151 milhões às cooperativas de produção ano passado; região Oeste recebeu 29% dos financiamentos nesse período

Foto: Reprodução/Rede Catarinense de Notícias

- PUBLICIDADE -

Nos últimos três anos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) financiou aproximadamente um bilhão em investimentos na produção agropecuária paranaense. O Agronegócio, que inclui agroindústrias e outras empresas do setor, representa cerca de 60% da carteira do banco. O (BRDE) superou todas as expectativas de contratações em 2021, com uma carteira de crédito que o colocou entre as 500 empresas maiores do Sul do Brasil e terceira instituição financeira da região, conforme divulgado no evento “500 Maiores do Sul”, do Grupo Amanhã, realizado em novembro passado.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Em 2021, os contratos no Paraná totalizaram R$ 1,4 bilhões, com 29,5% desse valor destinado à produção agropecuária e R$ 151 milhões a investimentos das cooperativas de produção. Ainda, deste total, 29% dos financiamentos foram contratados para projetos na região Oeste do estado.

Além disso, o banco equalizou os desafios da pandemia e bateu a meta histórica no ano passado, com R$ 4,14 bilhões de contratos nos estados de atuação (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul), ano em que completou 60 anos de sua fundação. Em 2013 era registrada a melhor marca até então, quando as aplicações chegaram a R$ 3,76 bilhões.

O porte de investimentos destinados aos produtores rurais foi de R$ 638 milhões. “Firmamos parcerias com cooperativas de crédito, em operações de segundo piso, que nos dá uma pulverização desses recursos, uma redução do tíquete médio, traçando um perfil menos sisudo e mais acessível às necessidades da sociedade” – detalhou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Ações em destaque – Ainda em 2021, o BRDE e Sicredi realizaram 2.236 contratações, totalizando R$ 68 milhões. O ticket médio é de R$ 30 mil, sendo a maioria financiamentos pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

A inserção no Plano nos anos 2020/21, permitiu ao BRDE a equalização de juros a pequenos e médios agricultores, usando recursos próprios.

Há quase um ano em parceria com a Fomento Paraná, o BRDE lançou o Banco do Agricultor Paranaense, para incrementar as estratégias do Paraná com o agronegócio mundial e teve repasses que somaram mais de R$ 60 milhões desde a sua criação. Foram 373 projetos apoiados no estado.

*Via Rede Catarinense de Notícias

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.