Programa Centelha incentiva desenvolvimento de empresas na educação

Por meio da iniciativa, os projetos receberam contribuições para que as ideias se materializassem

Foto: Milena Nandi/Fapesc

- PUBLICIDADE -

O Programa Centelha tem estimulado o desenvolvimento de empreendimentos inovadores em todo o estado. Prova disso são a Cuboteca – Letramento para Crianças Surdas, de Itajaí, e a Learni Tecnologias Educacionais, de Joinville, startups que tiveram projetos aprovados na primeira edição do programa, em 2019. Por meio da iniciativa, os projetos receberam não apenas fomento financeiro, mas consultorias, mentorias e valiosas informações para contribuir para que as ideias se materializassem.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

O Centelha é realizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e a Fundação Certi. Em Santa Catarina, é executado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Inscrições abertas

A segunda edição do programa está com inscrições abertas até 23 de fevereiro. Desta vez, o investimento será de R$ 3 milhões, vai contemplar 50 empresas com até R$ 60 mil cada e mais uma bolsa de R$ 32,4 mil, além de mentorias. As inscrições devem ser feitas no site www.programacentelha.com.br/sc. As dúvidas serão respondidas pelo e-mail centelha@fapesc.sc.gov.br.

Novas funcionalidades para o produto 

A Cuboteca oferece um ambiente de simulação imersivo e interativo para letramento de crianças surdas usando realidade virtual e dispositivos de interfaces naturais, consistindo na montagem de palavras na Língua Portuguesa buscando seu correspondente na Língua Brasileira de Sinais (Libras). A startup de Itajaí conseguiu, por meio Programa Centelha SC 1, incluir duas novas funcionalidades no formato de jogo digital com realidade virtual e dispositivos de interface natural: o Numberball (jogo de basquete com o aprendizado dos números em Libras) e o Libcor (uma trivia de vincular a cor descrita na tela com a cor em cubos no eixo indicado).

Além disso, a startup desenvolveu um novo produto, o Dungeon-Bot, um jogo digital para ensinar lógica, conceitos básicos de programação e para desenvolver o pensamento computacional, voltado para o público jovem, entre 12 e 15 anos, cuja língua nativa seja o Português.

Segundo um dos sócios da Cuboteca, Ewerton Eyre de Morais Alonso, participar do Centelha ajudou a empresa a entender o produto e o mercado e complementar a formatação do empreendimento.

“Participar do Centelha permitiu nos tornarmos uma empresa com foco em inovação e atuação no desenvolvimento de soluções educacionais e experiências com tecnologias XR, com dispositivos de interfaces naturais, além de importação e venda de dispositivos para essas áreas e da atuação no desenvolvimento de jogos analógicos e digitais para educação ou entretenimento. Utilizamos tecnologias que são referências no mercado mundial”, afirma Alonso. Para o futuro, a startup catarinense planeja desenvolver produtos para mudar a experiência de aprendizagem, com um olhar para o futuro da sala de aula e dos ambientes de experimentação.

Aplicativo para auxiliar nos estudos para concursos 

De Joinville vem mais um projeto que recebeu fomento do Programa Centelha SC 1 e com isso, vislumbrou novas possibilidades. A startup Learni Tecnologias Educacionais lançou a marca 95 Concursos, um aplicativo que ajuda o usuário a estudar para provas de concursos públicos. O app oferece conteúdo focado, objetivo e personalizado, produzido e curado por profissionais com experiência. O CEO da Learni, Miguel Pedro Votre Junior explica que o objetivo é oferecer uma metodologia que aumente a eficiência do estudo, permitindo abranger mais conteúdo com menos tempo dedicado.

Por meio do Centelha, a startup recebeu um importante auxílio para dar continuidade ao projeto. “Além dos recursos financeiros, que foram essenciais para nós alcançarmos o desenvolvimento do nosso produto até aqui, conseguimos boa visibilidade e recebemos diversas capacitações que contribuíram para o nosso desenvolvimento como empreendedores”, salienta Votre. Para o futuro, a Learni quer que seu aplicativo alie cada vez mais elementos de gamificação e métodos de estudo com base científica, para fazer a jornada de estudo dos concurseiros ser mais leve e eficiente.

Incentivo à inovação

O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, enfatiza que o principal objetivo do Programa Centelha é oportunizar a criação de novos negócios com foco em áreas estratégicas e na solução de demandas da sociedade catarinense. “A Fapesc estimula os empreendedores de todas as regiões de Santa Catarina a submeterem suas propostas para que tenhamos a inovação capilarizada por todo o estado”, ressalta.

Para a gerente de Tecnologia e Inovação da Fapesc, Gabriela Botelho Mager, o Centelha é um dos programas mais esperados pelo ecossistema e visa promover empreendimentos recém-criados ou que ainda serão abertos durante o processo de avaliação e seleção do edital. “A primeira edição do programa foi um sucesso e, pela grande procura, ampliamos o número de propostas a serem selecionadas, para 50, além de incluir uma bolsa cada. Nosso objetivo é selecionar as propostas de produtos ou processos com maior potencial inovador, que incorporem novas tecnologias, mesmo que os projetos ainda estejam em fase inicial de uma ideia. Sendo selecionado, o beneficiário passará por capacitações para o desenvolvimento de seu empreendimento”, explica Gabriela.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.