Dupla que matou para roubar pertences da vítima é condenada em Criciúma

Os dois homens acusados pelo Ministério Público foram à casa de um conhecido e o enforcaram pelas costas com um fio para roubar aparelhos eletrônicos e outros pertences da vítima

Foto: Guilherme Hahn/Arquivo/Tribuna de Notícias
- PUBLICIDADE -

Dois homens denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por matarem um conhecido para roubar seus pertences foram condenados na Comarca de Criciúma. Um deles recebeu pena de 20 anos de reclusão e o outro, de 30 anos.

A ação penal promovida pela 13ª Promotoria de Justiça da Comarca de Criciúma relata o crime praticado por Laerte dos Santos Demétrio e Rafael Maciel Fernandes no dia 3 de janeiro deste ano, quando os dois, que haviam sido convidados pela vítima para a sua casa, a mataram para roubar objetos de valor.

- PUBLICIDADE -

Os dois criminosos levaram um aparelho celular, um relógio de pulso, uma filmadora, uma bicicleta, uma carteira contendo documentos e R$ 15,00, duas mochilas e algumas peças de roupas. Foi por meio da ativação do celular da vítima com o chip de outra pessoa, que o comprou diretamente dos assaltantes, que a polícia chegou aos dois criminosos.

A dupla foi condenada pelo Juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Criciúma por ter matado a vítima para roubar, crime considerado hediondo e chamado de latrocínio.

Rafael foi condenado a 20 anos de prisão em regime inicial fechado. A pena de Laerte foi mais alta, 30 anos, também em regime inicial fechado. O tempo de prisão foi aumentado devido aos seus antecedentes criminais, já que ele tinha cinco condenações por outros crimes.

A decisão é passível de recurso, mas como os dois estão presos preventivamente desde a fase investigatória, não poderão aguardar o julgamento de eventual apelação em liberdade.

Via Ministério Público de Santa Catarina 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.