Dupla é condenada por homicídio e ocultação de cadáver em Criciúma

Em 28 de dezembro de 2018, o réu, juntamente com seu filho adolescente e a corré, teriam atraído a vítima, que foi surpreendida, asfixiada e morta

Foto: Guilherme Hahn/Arquivo/Tribuna de Notícias

- PUBLICIDADE -

Um homem de 44 anos e uma mulher de 38 foram condenados, em sessão do Tribunal Júri promovida nesta quinta-feira, 22, na comarca de Criciúma, por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e corrupção de menores.

Segundo a denúncia, a vítima foi casada com o irmão do réu, que se suicidou, e a crença no envolvimento da mulher nessa morte seria a motivação do crime. Em 28 de dezembro de 2018, o réu, juntamente com seu filho adolescente e a corré, teriam atraído a vítima, que foi surpreendida, asfixiada e morta.

- PUBLICIDADE -

Ela também recebeu cortes no pescoço e na barriga, foi enrolada em uma coberta e teve seu corpo ocultado em um matagal. Foi encontrada somente 38 dias após o crime, em uma área rural entre os municípios de Siderópolis e Treviso. O carro da mulher, utilizado no crime, foi incendiado.

Por decisão do Conselho de Sentença, o réu foi condenado a 20 anos, oito meses e 20 dias de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, asfixia e dissimulação e emboscada, corrupção de menores, ocultação de cadáver e dano qualificado.

Já a mulher foi condenada a 16 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado, pelos crimes de homicídio duplamente qualificado por asfixia e dissimulação e emboscada, corrupção de menores, ocultação de cadáver e dano qualificado. A dupla estava presa preventivamente desde fevereiro de 2019 e teve negado o direito de responder em liberdade.

Via TJSC 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.