Criciúma: município tem menos de 10 mortes violentas intencionais no ano

Balanço mostra média abaixo da nacional

Foto: Divulgação/Polícia Civil

- PUBLICIDADE -

Conforme o balanço feito pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Criciúma, através da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em 2021 ocorreram nove mortes violentas intencionais em Criciúma. Este é o segundo ano consecutivo que a cidade de Criciúma atinge nível inferior a 10 mortes violentas intencionais, mais precisamente 4,09 homicídios por 100 mil habitantes, índice bem abaixo do nacional, que é de 10.71.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

De acordo com o delegado André Milanese, oito desses homicídios foram resolvidos. “Está pendente de elucidação o último homicídio do ano, praticado no dia 14 de novembro, no bairro Quarta Linha, que continua sendo investigado”, explica o delegado da DIC, André Milanese.

Das mortes violentas intencionais que ocorreram na cidade em 2021, seis foram homicídios, um foi latrocínio (roubo seguido de morte) e duas mortes foram decorrentes de intervenção legal (confronto com a polícia).

Em 2020 ocorreram nove mortes violentas intencionais em Criciúma, todos os crimes tiveram 100% de resolubilidade. Em 2019 foram 25 mortes violentas intencionais, sendo 21 delas esclarecidas (84% de resolubilidade). Em 2018 foram 24 mortes violentas intencionais, sendo 23 esclarecidas (95% de resolubilidade). Em 2017 foram 20 mortes violentas intencionais, sendo 16 esclarecidas (80% de resolubilidade). Em 2016 foram 37 mortes violentas intencionais, sendo 31 esclarecidas (83% de resolubilidade). Em 2015 foram 59 mortes violentas intencionais, sendo 48 esclarecidas (81% de resolubilidade)

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.