Içara: após acidente fatal, a necessidade de duplicação da SC-445

Entidades de Içara destacam a importância para a segurança e para a economia local da rodovia, que atualmente é estadual

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Érik Borges

Içara

- PUBLICIDADE -

Na noite de domingo, dia 11, um motociclistade 48 anos morreu após colidir com um automóvel, na SC-445, em Içara. O acidente aconteceu no bairro Liri. A vítima morreu ainda no local. O condutor do automóvel Toyota/Corolla, de 25 anos, não ficou ferido.

Esse fato trouxe à tona novamente a necessidade de duplicação da SC-445, uma das principais rodovias do município içarense, uma das principais bandeiras levantadas por entidades locais, como a Associação Empresarial de Içara (ACII) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

De acordo com a presidente da ACII, Adriana Mara de Oliveira, a duplicação beneficiaria não só Içara, mas a região inteira. “A gente tem, em determinadas épocas do ano e determinados horários do dia, um trânsito muito intenso. Então essa duplicação traria a possibilidade de mobilidade muito melhor, principalmente nesses horários de pico”, diz Adriana.

Ela ressalta que, nos últimos meses, Içara contou com inaugurações de atacados. “Isso gerou muito desenvolvimento, mas, por outro lado, aumentou o trânsito e as dificuldades de mobilidade. A gente entende que a duplicação se faz necessária e é muito pertinente, inclusive para as empresas que estão às margens da rodovia, assim como para a população em geral”, diz Adriana.

Ela conta que, em 2020, integrantes da ACII participaram de uma reunião com o secretários de Estado, em Florianópolis e levaram a eles um ofício que requisitava recursos para a possibilitar a duplicação da SC-445. “Na ocasião, eles nos receberam e encaminharam para o departamento pertinente, com a promessa de nos responderem posteriormente, mas até então, ainda está em análise e não recebemos o retorno ainda”, revela Adriana.

Projeto está em estudo

A presidente da ACII destaca que é preciso fazer um trabalho com a comunidade e com as entidades e pessoas diretamente interessadas, como sociedade de forma geral. “A questão da segurança é importantíssima. É verdade que se tornaria provavelmente uma via mais rápida, mas também planejada para segurança e passagens de pedestres, dependendo o tipo de projeto que for aprovado, teria vias laterais, vias para ciclistas é claro que as intenções são as melhores possíveis. Tudo dependerá da disponibilidade de recursos que teríamos para a duplicação”, finaliza Adriana.

O vice-prefeito de Içara, Jandir Sorato conta que existe um projeto da Prefeitura que ainda está em estudo, que trata-se da duplicação como forma de continuidade da Avenida Centenário até a BR-101. “É um sonho nosso e de toda a população. Existe a ideia de a gente duplicar o quanto antes. É um projeto da Prefeitura, mas depois vem os órgãos públicos para verem qual a necessidade para dar andamento nesse projeto”, indica Sorato.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Paulo Roberto Brígido lembra que essa é uma bandeira que já foi levantada há muito tempo. “Isso ficou parado porque, da maneira que queriam fazer, com 11 elevados, destruiria Içara. Além de ficar inviável financeiramente, ficaria inviável para Içara. A luta é sempre para uma extensão da Avenida Centenário. Isso nos daria mais união com a cidade de Criciúma”, diz Brígido.

Alternativas de duplicação 

Ele enxerga inicialmente duas alternativas para que a duplicação saia do papel e será concretizada: a primeira seria a municipalização da rodovia e o município ir atrás de recursos financeiros, ou a segunda opção, que é o Governo do Estado tomar atitude e realizar a obra. “O Estado tem verba para isso, já o município eu não sei até onde iria a capacidade de investimento, mas uma coisa tem que ser feita. Porque se o governo do Estado não tomar atitude, o município que vá atrás do recurso para fazer isso”, declara Brígido.

O presidente da CDL de Içara reforça que a duplicação impulsionaria bastante as vendas e proporcionaria alternativas para que as pessoas pudessem entrar no município com mais facilidade.

A vice-presidente da ACII, Tatiana Pavei lembra que essa é uma luta antiga, não só do comércio que existe em volta da SC-445, mas da comunidade como um todo e comenta sobre a necessidade de torná-la mais humanizada. “Seria interessante que as pessoas pudessem usar a SC não só como canal de passagem. Antigamente, havia um projeto que iria dificultar a mobilidade dos próprios moradores locais, com mais de 10 elevados. A nossa intenção é reivindicar uma rodovia com mais facilidade para acessar a cidade e facilitar a mobilidade de maneira eficiente e tranquila, com canteiro central e até mesmo ciclovia”, diz Tatiana.

De acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), a estimativa é de que 21 mil veículos circulem diariamente pela SC-445. Conforme o comandante do posto da PMRv de Içara, sargento Anísio de Souza Fraga, a SC-445 precisa de melhorias e pontos de acesso melhor para pedestres, melhor sinalização, melhor investimento para ela ficar mais fluída. “Porém, ela não tem mais o fator principal da SC-445, de ser o principal acesso de Criciúma à BR-101. Por isso o Governo do Estado fez a Via Rápida, para fácil interligação entre o município e a BR-101”, afirma Fraga.

Ele ressalta que a SC-445 é uma das rodovias mais movimentadas de todo o Estado em volume diário de veículos. “Mas, ao mesmo tempo, essa rodovia é uma das mais seguras. Já fazia 482 dias que não havia um acidente fatal”, completa Fraga.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.