Estadual: Ex-presidente da Fecam é condenado a 57 anos de prisão

Ele foi enquadrado em crimes de organização criminosa, corrupção, fraudes à licitação e lavagem de dinheiro

Fonte: Rede Catarinense de Notícias

- PUBLICIDADE -

Orildo Antônio Servegnini, ex-prefeito de Major Vieira e também ex-presidente da Fecam, seu filho, Marcus Vinicius Brasil Servegnini e os empresários, Décio Pacheco e Décio Pacheco Júnior, foram condenados, nesta quinta-feira (19), pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca de Canoinhas, a mais de 50 anos de prisão por crimes de organização criminosa, corrupção, fraudes à licitação e lavagem de dinheiro.

Os fatos criminosos foram investigados na chamada operação Et Pater Filium, desenvolvida pela Subprocuradoria-Geral para Assuntos Jurídicos em conjunto com o GEAC, GAECO e Polícia Civil de Canoinhas, que teve a sua primeira fase deflagrada em 31 de julho de 2020.

- PUBLICIDADE -

A denominação da investigação faz referência às duas duplas de pais e filhos envolvida no esquema criminoso, que envolviam o desvio de valores públicos após o direcionamento e superfaturamento de obras públicas de engenharia. Os valores desviados eram ocultados das autoridades públicas por atos de lavagem de dinheiro, tais como a transferência de imóveis para nome de terceiros.

Veja como ficaram as penas de cada um:

Orildo Antonio Severgnini – 57 anos 10 meses e 14 dias de prisão (41 anos e 26 dias de reclusão e 16 anos, 9 meses e 18 dias de detenção)

Marcus Vinicius Brasil Severgnini – 41 anos, 6 meses e 14 dias de prisão (29 anos, 10 meses e 24 dias de reclusão; 11 anos e 8 meses de detenção)

Decio Pacheco – 53 anos, 11 meses e 6 dias de prisão (41 anos, 11 meses e 6 dias de reclusão; 12 anos de detenção)

Decio Pacheco Junior – 53 anos, 11 meses e 6 dias de prisão (41 anos, 11 meses e 6 dias de reclusão; 12 anos de detenção)

Além da pena de prisão, Orildo e Marcus foram também condenados ao pagamento de R$ 5,7 milhões, a título de danos morais coletivos reconhecidos em favor do Município de Major Vieira, com juros e correção monetária.

Marcus ainda perdeu o cargo público de agente de turismo que ocupava no município de Major Vieira.

A pedido do Ministério Público, ainda foi decretada a perda em favor do Estado de Santa Catarina de bens apreendidos durante a operação, entre os quais terreno, veículo e dinheiro em espécie encontrado na casa de Orildo e Marcus.

A decisão é passível de recurso.

Pai e filho ainda respondem a mais três ações penais decorrentes de outras fases da operação que tramitam tanto na Vara Criminal de Canoinhas quanto no Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.