Estado garante recursos para a extensão da Via Rápida até o Rincão

Serão disponibilizados R$ 680 mil para pagar o estudo que será feito pela Unesc. Governador já sinalizou que após ter o documento, irá viabilizar a obra

Foto: Guilherme Cordeiro/TN
- PUBLICIDADE -

Thiago Oliveira

Criciúma/Florianópolis

- PUBLICIDADE -

A implantação da Via Rápida revolucionou a logística da região de Criciúma, criando um corredor do centro da cidade até a BR-101. E a ideia de estender esse caminho até o Balneário Rincão está cada vez mais perto de sair do papel.

Após uma audiência com os presidentes da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, e da Associação Empresarial de Içara (Acii), Adriana Mara de Oliveira, o governador Carlos Moisés (PSL) autorizou a contratação do projeto técnico para a extensão da rodovia até o município litorâneo. Serão liberados R$ 680 mil por meio de emenda parlamentar impositiva do deputado e atualmente secretário da Educação, Luiz Fernando Vampiro (MDB), que serão utilizados para viabilizar o estudo, que por sua vez, será desenvolvido pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc).

“É um dia histórico para toda a região Sul de Santa Catarina, onde nós estamos concluindo um projeto que foi iniciado lá em 2019, que é a extensão da Via Rápida, entre a BR-101 e o Balneário Rincão. São 12 meses, mais ou menos, para a elaboração do projeto. E depois vai para a execução dessa importante obra que vai desenvolver, em todos os sentidos, a nossa região. Vai integrar, inclusive, toda a parte do Morro dos Conventos, com a ponte nova que está sendo construída, ligando com Ilhas, Barra Velha, Balneário Rincão, Içara, Criciúma, e toda a Amrec vai ser beneficiada com essa obra, criando um novo eixo de desenvolvimento sócio econômico”, destaca o presidente da Acic.

Iniciativa de dois anos

A iniciativa teve início em 2019, com Dagostin, a reitora da Unesc, Luciane Ceretta, o prefeito de Balneário Rincão, Jairo Custódio (MDB), além do então prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon. A ideia era criar uma continuação da Via Rápida, tendo início no Poço Oito e indo até a Plataforma Sul. Devido à pandemia, o assunto perdeu força no ano passado, mas voltou a ter espaço no início de 2021.

Neste tempo, as próprias ideias de traçado foram sendo alteradas. No primeiro momento, o plano era aproveitar o acesso à Zona Sul, em um trecho, e seguir em outra parte separada. Porém, após reuniões, foi definido que seria construída uma nova rodovia, o que para o presidente da Acic, também é a melhor escolha no que diz respeito aos custos. “É uma zona totalmente rural. Não existe desapropriações de propriedades edificadas e somente terrenos. Somente rurais. E é um traçado menor. Antes, daria cerca de 12 quilômetros. Esse novo daria aproximadamente 8 quilômetros. Já se tem toda a ideia do traçado. É uma continuação na mesma direção da atual Via Rápida. Ali continua, rasga aquele barranco na frente e vai em frente até a SC-100, que é a Jorge Fortulino”, completa Dagostin.

A rodovia deverá ter pista dupla e ciclovia. “A Unesc já fez um pré-projeto, já está bem ambientada. Mas agora tem os detalhes, como identificar os donos dos terrenos, as desapropriações, a questão do solo. E a parte do projeto em si”, detalha Dagostin.

Busca por um prazo menor

O prazo previsto pela Unesc para a entrega do projeto é de 12 meses. Mas as lideranças empresariais buscam diminuir esse tempo.

Isso porque o governador Moisés já sinalizou que com o projeto em mãos, deverá garantir os valores para a execução da obra. “A Unesc falou em 12 meses. Nós queremos tentar abreviar o quanto antes possível. Vamos tentar antecipar um pouco, até porque 12 meses vai cair na véspera da eleição, e queremos antecipar para garantir os recursos antes de entrar no período eleitoral”, explica o presidente da Acic.

As lideranças também irão se reunir na universidade para discutir esse período. “Temos uma reunião com a Unesc na sexta para ver se consegue fazer o mais rapidamente possível, porque os prazos que fizeram foi meio longo, e precisamos para o quanto antes, para que o governo possa viabilizar a verba. E sem o projeto na mão, sem condições”, completa Dagostin.

Desenvolvimento para toda a região

Para o governador Carlos Moisés, essa nova rodovia trará desenvolvimento para toda a região e irá “dar a praia” aos criciumenses e içarenses. “A gente tem defendido que investir em infraestrutura em Santa Catarina vai trazer benefícios para o próprio Governo do Estado. Então estamos no caminho certo. Aqui começa o projeto. Temos que começar a sonhar com os projetos. Elaborar, ver o impacto que isso terá. O desafio de fazer uma nova rodovia, que não existe projetada, não existe existente, e vamos trabalhar juntos para levar o desenvolvimento que estamos levando para todas as regiões de Santa Catarina, ainda mais ao Sul do Estado para as regiões de Içara e Criciúma”, destacou.

A presidente da Acii também participou do ato e comemorou o repasse dos recursos. “Realmente essa obra trará, além do desenvolvimento econômico para a própria região e Estado como um todo, conforto e segurança para os moradores locais. Aguardamos com muita expectativa que este projeto seja executado o mais breve possível. Será um trecho de aproximadamente oito quilômetros, com muitos benefícios e oportunidades”, pontua Adriana.

Já para Vampiro, que acompanhava as tratativas enquanto exercia o mandato de deputado estadual, salientou que o movimento feito pelas entidades empresariais é um clamor de toda a sociedade do Sul catarinense. “Esta resposta do governador Carlos Moisés a uma necessidade local, investindo recursos na execução deste projeto importante para o desenvolvimento de toda a região, precisa ser valorizada. Em nome de todo o Sul, quero mais uma vez agradecer ao governador pela atenção”, disse.

Acompanharam a audiência o secretário adjunto da Casa Civil, Juliano Chiodelli, e os empresários de Criciúma Eduardo Rosso e Alexandre Willemann.

Benefícios para todos

A nova rodovia passaria, na maior parte, por dentro de Içara. Mesmo assim, o prefeito rinconense espera por muitos benefícios para o município, caso a estrada saia do papel. “Isso vai ser impotente para o Rincão. Somente com a Via Rápida até a BR-101 já foi importante para nós. E desenvolvendo até o Rincão, não tem dúvida do quanto seria importante. O projeto passa 85% dentro do município de Içara. Mas mesmo com 15%, vai ser importante para o Rincão. Seja pelo turismo ou pelos investimentos que viriam. Tudo é importante”, analisa Custódio.

Novo corredor turístico

Durante a temporada de verão, é comum ver longas filas entre a BR-101 e o Balneário Rincão, justamente no ponto seguinte à Via Rápida. E um dos objetivos da nova rodovia é diminuir esse tempo de viagem, e com isso, estimular todo o turismo regional.

“O governador entendeu a importância da obra. O desenvolvimento que vamos ter com essa obra. Queremos trazer a praia para dentro da cidade. Fica todo um entorno para ser explorado pelos turistas, que vão poder ir até a região de Araranguá, na Barra Velha, Ilhas, Morro dos Conventos. Fica tudo interligado. Além de contribuir para mobilidade de toda a Amrec. Para ir à praia,as pessoas passam por dentro de Criciúma. Todo mundo passa aqui para ir até a praia. E com uma estrada assim, com 15 minutos sai do Centro de Criciúma, e chega na beira do mar. Uma estrada duplicada, com ciclovia. Melhor ainda que a Via Rápida que temos hoje”, projeta Dagostin.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.