Decisão que gera crise na Receita partiu de Guedes, diz Bolsonaro

Negativa de repasse do bônus de eficiência gera crise no órgão, entrega de cargos e ameaça de greve

MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL - 04.11.2021

- PUBLICIDADE -

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que foi o ministro da Economia, Paulo Guedes, quem decidiu não conceder o bônus de eficiência a servidores da Receita Federal. Em razão do comportamento rígido do governo em relação aos profissionais do fisco, o órgão já registra 625 pedidos de exoneração de cargos de confiança. Além disso, uma greve na Receita pode travar os trabalhos de fiscalização neste fim de ano.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Para Bolsonaro, o valor total da concessão do bônus de eficiência geraria um custo de R$ 200 milhões, cumpriria uma previsão legal e não haveria motivos para negar a solicitação. Questionado sobre as renúncias e a eventual greve na Receita, o presidente destacou que a decisão foi de Paulo Guedes.

“Isso aí eu vou conversar com o Paulo Guedes de novo. Eles queriam a regulamentação de um bônus de produtividade. Custava nada. Custava R$ 200 e poucos milhões. E a Economia que resolveu não ceder”, disse o presidente.

O chefe do Executivo destacou que o pedido não se trata de uma reestruturação e que o tema ainda será alvo de conversas. “Da minha parte eu teria cedido, porque não é restruturação, não é nada. É o cumprimento de um requisito legal. Não precisa ser tão rígido desta maneira. Aqui não é uma empresa. A gente não quer estourar teto, não quer fazer nenhuma estripulia, mas não custava nada atender”, completou Bolsonaro.

*Via R7

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.