Criciúma: Câmara recebe técnicos e discute áreas afetadas pelo carvão

Foto: Manuela Silva/Divulgação

- PUBLICIDADE -

A Comissão Especial Temporária sobre a Ação Civil Pública (ACP) do Carvão no Legislativo Criciumense recebeu nesta segunda-feira (25) integrantes do Grupo Técnico de Assessoramento (GTA) para abordar assuntos relacionados às áreas mais afetadas pela mineração dentro do município.

Estiveram presentes o presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral, Fernando Zancan, diretor técnico do Sindicato da Indústria de Extração Carvão de Santa Catarina (SIESESC) Márcio Zanuz, e o engenheiro Cléber José Gomes.

- PUBLICIDADE -

“Nós explicamos os procedimentos e as discussões que ocorreram dentro da sentença, através do GTA, em temas que se relacionam com o discutido pela Comissão, que é a liberação de uso futuro das terras afetadas dentro do município”, frisou Zanuz.

Conforme o vereador e relator da Comissão, Julio Kaminski (PSL), a reunião recebeu três pessoas técnicas que conhecem a situação de cada área afetada de Criciúma. “Vimos que existe a necessidade de encaminhamentos para que o próprio GTA seja reativado, a necessidade do Ministério Público participar do projeto”, explicou.

“Além disso, precisamos da identificação das áreas mais ou menos afetadas pela mineração e as que são mais fáceis ou mais complexas para sua recuperação. Vamos sentar com a mesa diretora da Comissão e definir os próximos passos”, acrescentou.

Fazem parte ainda da Comissão sobre a ACP do Carvão, o vereador Obadias Benones (AVANTE), que é secretário, a vereadora Giovana Mondardo (PCdoB) e os vereadores Jair Alexandre (PL), Paulo Ferrarezi (MDB), Manoel Rozeng (DEM), Adriano Ribeiro (PP), Salésio Lima (PSD) e Zairo Casagrande (PDT).

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.