(Vídeo): representantes do setor gastronômico protestam em Florianópolis

Os empresários reivindicam e questionam a eficácia das atuais medidas vigentes que têm prejudicado o atendimento dos estabelecimentos em Santa Catarina

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Representantes do setor gastronômico de todo o Estado se reuniram para um protesto, nesta quinta-feira, 15, em Florianópolis. Os empresários reivindicam e questionam a eficácia das atuais medidas vigentes que têm prejudicado o atendimento dos estabelecimentos em Santa Catarina.

Em Florianópolis, uma carreata organizada pelas entidades partiu do bolsão do trapiche na Avenida Beira-Mar Norte, passando pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Casa D’ Agronômica e encerrando no Centro Administrativo do Estado, 500 veículos de todas as regiões participaram do ato. “A gente demorou duas horas e meia para sair do balcão do trapiche, contornar a Alesc e chegar ao Centro Administrativo. Foi um movimento ordeiro, em momento algum trancamos o trânsito, a população apoiando, vindo nas janelas e batendo palmas. Foi acima da expectativa em termos de mobilização de pessoas”, comemora o presidente da Via Gastronômica de Criciúma, Joster Favero.

- PUBLICIDADE -

Confira algumas reivindicações do setor gastronômico:

  • Substituição da restrição que limita a capacidade dos estabelecimentos;
  • Permissão do consumo de bebidas e alimentos somente por pessoas sentadas e com distanciamento de 1,5 metro entre as mesas;
  • Substituição da restrição que limita o horário de atendimento até às 22h;
  • Ampliação do horário de atendimento para até à meia-noite;
  • Aumento da penalização de estabelecimentos e consumidores que não cumprirem o decreto;
  • Extinção da “Lei Seca”.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.