Rede Feminina do Combate ao Câncer de Içara retoma o Chá Cor de Rosa

Ação destinada para a arrecadação de fundos para a instituição não pôde ser realizada em 2020. Espaço atende aproximadamente 200 mulheres por mês

Foto: Guilherme Cordeiro/TN
- PUBLICIDADE -

O tradicional Chá Cor de Rosa, promovido pela Rede Feminina de Combate ao Câncer de Içara (RFCC), será realizado de uma maneira diferente neste ano. O evento, programado para o dia 28 de agosto, em um sábado, seguirá o formato drive-thru. O objetivo é arrecadar fundos para as despesas da Casa Rosa, localizada no bairro Primeiro de Maio, em Içara.

A ação não aconteceu no ano passado, em razão da pandemia. A Casa Rosa foi oficialmente inaugurada em janeiro deste ano e atende, em média, 200 mulheres portadoras de câncer por mês. Os custos para manter a estrutura de aproximadamente 850 metros quadrados são elevados.

- PUBLICIDADE -

“As despesas são grandes. Estamos atendendo sempre, todos os dias, com agendamento. Atuamos na prevenção do câncer de útero e de mama. Temos médico clínico geral, mastologista, radiologista, psicóloga e ultrassom. Tudo de graça para as pacientes”, explica Albertina Niehues, presidente voluntária da RFCC para o biênio 2021/2022.

O valor do convite custa R$ 40,00. Cada pessoa terá direito a uma caixa repleta de guloseimas, café e chá, que servem até duas pessoas. Os interessados podem solicitá-lo através do telefone 9.9624-8651. “Temos a meta de vendermos mil. Já estamos perto de 800 convites vendidos. As pessoas vão receber bolos doces, salgados, pasteizinhos, cavaquinhos, suco… Tudo dentro de uma linda caixa”, comenta.  O kit de comidas poderá ser retirado das 14 às 18 horas, na rua João Menegaro, número 1185.

Rede Feminina de Combate ao Câncer de Içara já possui três décadas anos de serviços prestados à comunidade. Anteriormente, o atendimento era realizado em anexo ao Hospital São Donato. A sonhada inauguração da Casa Rosa aconteceu no início deste ano, depois de a instituição receber o investimento de R$ 1,2 milhão. Deste montante, 70% foi destinado pelo então governador Eduardo Pinho Moreira. O restante contou com a ajuda da sociedade.

Lojinha

Outro meio que a RFCC encontrou para arrecadar dinheiro foi a venda de produtos. Junto à Casa Rosa, está funcionando desde a última segunda-feira uma lojinha para a venda de roupas recebidas a partir de doações. São confecções em geral.

“A gente recebe muitas peças de roupa, como calça jeans. São itens bem baratinhos, vendidos lado da casa. Pedimos a doação de qualquer confecção, uma pontinha de estoque, aquele produto que tenha uma pequena falha, para vendermos por R$ 10. Aceitamos e agradecemos. Tudo isso para conseguirmos manter a Casa Rosa, que é muito grande e tem muitas despesas”, destaca a presidente.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.