Projeto da ciclovia da Centenário é entregue à prefeitura

Estudos foram realizados pela Unesc, que adaptou um antigo levantamento da administração municipal. Pedestres e ciclistas foram posicionados no canteiro central da Avenida

Foto: Guilherme Cordeiro/ TN
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Um passo importante e indispensável foi dado para a segurança dos ciclistas que trafegam em Criciúma. O projeto de uma ciclovia na Avenida Centenário, desenvolvido e adaptado pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), foi entregue à Secretaria Municipal de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana. A obra compreende a extensão que liga o bairro Pinheirinho até a Grande Próspera, trecho com mais de 10 quilômetros.

- PUBLICIDADE -

De acordo com a arquiteta da Unesc, Suelen Estecanela, a universidade colaborou com a atualização a adequação do projeto da ciclovia na Avenida Centenário, que foi desenvolvido pela prefeitura de Criciúma, em 2012. “Inicialmente, a Unesc realizou um levantamento fotográfico aéreo para possibilitar um estudo de atualização das interseções do sistema viário da extensão”, explica. “Com base nessas informações, o projeto foi desenvolvido priorizando a segurança e acessibilidade de todos os usuários”, completa.

Ainda conforme a arquiteta, os parâmetros normativos para ciclovia, ciclofaixa e sinalizações foram adotados durante a elaboração do projeto. “Os pedestres e ciclistas foram posicionados no canteiro central da Avenida Centenário. Foi criado o calçamento exclusivo para pedestres na linha central do canteiro, nas extremidades e posicionado a ciclovia unidirecional de acordo com o fluxo do sistema viário. No limite entre ciclovia e pista de rolamento do ‘amarelinho’, sugerimos uma barreira física para proporcionar maior segurança”, acrescenta.

Pleito há mais de três décadas

Há muitas décadas, a construção da ciclovia na Avenida Centenário é um pleito da população. Com o aumento do tráfego, tanto de pedestres e ciclistas, como veículos e caminhões, a segurança fica ainda mais comprometida. “A importância de o município ter a ciclovia, inclusive, está no slogan que a gente criou: ‘Ciclovia combina com Criciúma’. Todos os parques que nós temos na região estão superlotados, então é mais uma grande razão de que a mobilidade urbana, tanto na parte do lazer como de trafegabilidade, será muito importante para a cidade. Se uma pessoa vai trabalhar de bicicleta, é um carro a menos na estrada”, comenta o presidente do Instituto John Bike, João Virtuoso.

Necessidade constante

A necessidade de uma ciclovia em Criciúma é constante. Inúmeros acidentes, inclusive fatais, envolvendo ônibus e bicicletas foram registrados na Avenida Centenário. A reivindicação dos ciclistas não é somente por aqueles que utilizam o meio de transporte, mas para toda a população. “É uma luta constante. A gente sempre acredita que essa ciclovia vai sair do papel, agora saiu, tem um projeto arquitetônico. Só temos que aguardar e ver o que vai acontecer. Em nome do secretário de Infraestrutura, Tita Belloli, a prefeitura se manifestou dizendo que está contratando uma empresa para avaliar melhor”, frisa Virtuoso.

A obra também contribuirá com o desenvolvimento turístico do município, uma vez que o trajeto também liga as localidades com parques e atrações culturais. “Será um marco, um cartão-postal de Criciúma”, finaliza o presidente do Instituto John Bike.

Execução depende do Plano de Mobilidade Urbana

Segundo o secretário de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana de Criciúma, Tita Belloli, um plano de mobilidade urbana para resolver questões como a da ciclovia será contratado pela prefeitura. “Já foi para licitação e abre agora no dia 21 de setembro. Ele fará todo esse planejamento da malha cicloviária. Então, além de ver a possibilidade dos transportes de cargas, também será visto a viabilidade das ciclovias em outras áreas e na Avenida Centenário. Nós esperamos, que esse plano nos passe a necessidade de ciclovia na Avenida Centenário e em outras da cidade”, explica.

Por enquanto, não há um orçamento ainda definido para execução da obra.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.