Profissionais que perderam a vida combatendo pandemia recebem homenagem

Ação foi realizada em alusão ao Dia Mundial da Saúde, no Hospital São José, na manhã desta quarta-feira

Foto: Gustavo Milioli/TN
- PUBLICIDADE -

Seis profissionais de saúde já perderam a vida na região de Criciúma enquanto trabalhavam, diariamente, no combate à pandemia da Covid-19. Diante disto, o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos da Saúde (Sindisaúde) promoveu uma homenagem com a foto de cada um dos seus colegas que morreram honrando a profissão que escolheram. O ato aconteceu em frente ao Hospital São José, na manhã desta quarta-feira, 7, data em que se é comemorado o Dia Mundial da Saúde.

“Resolvemos homenagear todos os trabalhadores, em memória àqueles que morreram tentando salvar vidas. E ao nosso Sistema Único de Saúde (SUS), que vem sendo muito importante neste momento”, destaca Cléber Ricardo da Silva, diretor da entidade.

- PUBLICIDADE -

O perfil das seis vítimas é variado. Nem todos pertenciam a grupos de riscos. Técnicos de enfermagem, enfermeiros e profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) estão entre os óbitos. “Já tivemos vários casos registrados de trabalhadores sendo internados em UTI, inclusive que ficaram com sequelas. Outros acabaram levando o vírus para dentro de casa e infectaram familiares, que acabaram morrendo. Agora, com a grande maioria da linha de frente vacinada, tivemos uma diminuição na contaminação”, informa.

O Dia Mundial da Saúde foi lembrado justamente no pior momento da pandemia no Brasil. Em apenas 24h, 4.195 brasileiros perderam a vida por conta da doença, um recorde. Destes, 15 pacientes eram moradores da Região Carbonífera. O número nacional é superior à toda a população do município de Treviso.

“Os trabalhadores se encontram exaustos. Estamos abalados psicologicamente, mas permanecemos firmes, exercendo a nossa profissão, o nosso juramento. Esperamos que isso passe rápido para que todos nós possamos voltar a viver uma vida normal”, destaca Fábio Belucco Camilo, vice-presidente do Sindisaúde.

Leitos de UTI lotados

O pesadelo ainda parece estar longe do fim. Todos os hospitais da região estão sem vagas disponíveis para as Unidades de Terapia Intensiva (UTI). “Por isso reforçamos a importância dos cuidados. Máscara, álcool em gel e evitar aglomerações são fatores muito importantes para contermos a disseminação”, suplica a vice-diretora do Hospital São José, Irmã Terezinha Buss.

Gratidão

“Na saúde, acredito que todas as instituições tiveram o cuidado de oferecer os equipamentos necessários de proteção individual. Essas pessoas que partiram estão em um contexto de mundo em que a gente não sabe como se deu, como pegaram, mas que elas sirvam de exemplo para a importância dos cuidados. Também, mantemos uma gratidão muito grande, pela vida que doaram. A saúde exige profissionais que tenham uma vocação admirável e com certeza todos eles cumpriram sua missão”, salienta Irmã Terezinha.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.