Prefeito sanciona lei sobre as atividades religiosas em Criciúma

Projeto de autoria do vereador Jair Alexandre foi aprovado no Legislativo, sancionado pelo prefeito e já está em vigor no Município

Foto: Divulgação/ Simone Costa
- PUBLICIDADE -

As atividades religiosas em Criciúma foram consideradas como essenciais em situações de calamidade pública, emergência ou epidemia. A Lei nº 78/2021, foi aprovada pelo Legislativo e sancionada pelo prefeito Clésio Salvaro, na tarde desta sexta-feira (16), na presença do autor, vereador Jair Augusto Alexandre, lideranças políticas e religiosas. Ela entra em vigor imediatamente após a publicação.

“As igrejas são fundamentais porque elas acolhem as pessoas nos momentos mais difíceis e ainda fazem um trabalho social de ajuda e aconselhamento. Nesse momento difícil de pandemia que vivemos, não podemos permitir que a população seja privada de frequentar seus templos”, destacou o prefeito, acrescentando que “as medidas sanitárias devem ser seguidas e com todos os cuidados é possível sim cuidar da fé”.

- PUBLICIDADE -

De acordo com a Lei, são consideradas essenciais as atividades religiosas, realizadas nos templos e fora deles, assegurando-se aos fiéis o livre exercício de culto, ainda que em situações de calamidade pública, de emergência ou de epidemia, com garantias previstas nos termos da Constituição Federal e seguindo todas as normas sanitárias e/ou de segurança pública.

“Assim como explanado pelo prefeito, nosso objetivo sempre foi permitir que as pessoas possam exercer sua fé, sem deixar de lado os cuidados sanitários com o coronavírus. Ao nosso ver as igrejas poderão somar no combate, não apenas de pandemias, mas da fome e na prevenção ao suicídio”, destacou o vereador Jair Alexandre.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.