Natal: Professora é barrada em secretaria por estar com roupa “indevida”

Conselheira escolar Tânia Maruska disse que foi constrangida pelo chefe de patrimônio do local, que afirmou que a vestimenta "não era adequada a uma profissional da educação"

Foto: Reprodução/Novo Notícias

- PUBLICIDADE -

Um caso de machismo impediu a professora e conselheira escolar Tânia Maruska de ingressar na Secretaria Municipal de Educação de Natal, no Rio Grande do Norte, na manhã desta quinta-feira, 11.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

A educadora, que leciona na rede municipal de ensino, teria sido constrangida por um segurança e um membro da chefia de patrimônio que afirmaram que ela estaria vestida com roupas julgadas “inadequadas”.

Tânia é professora da rede municipal de ensino, na Escola Municipal Zuleide Fernandes, onde é presidente do Conselho Escolar, e estava indo na SME fazer uma prestação de conta. Ela também é do Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas).

Segundo reportagem do site Novo Notícias, quando ela chegou ao local, foi solicitado pela recepcionista que esperasse o chefe de patrimônio, chamado Josias, para que ele avaliasse se a roupa dela estava adequada para entrar na secretaria.

Josias teria humilhado Tânia, dizendo que ela é uma educadora e que a roupa “não era adequada para uma profissional da área de educação”. Portanto, não poderia entrar no prédio.

“Ele se alterou porque eu questionei. E eu achei aquilo surreal e disse que já tinha ido com aquela mesma roupa para uma audiência com um juiz, também ao Ministério Público, e nunca foi questionada ou barrada. E ele duvidou. Foi extremamente constrangedor”, afirmou a professora.

De acordo com ela, Josias ligou para o servidor do setor e pediu que assinasse os documentos que ela precisava na portaria, em pé.

“Eu fiquei muito nervosa, extremamente humilhada, constrangida. Eu até agora estou sem acreditar que em pleno século 21, depois de tantas conquistas das mulheres, você ser julgada e criminalizada pela roupa que está usando. Nós vivemos numa sociedade patriarcal, machista, misógina. Eu queria saber se fosse um homem ele teria feito o que fez comigo”, questionou Tânia.

*Via Revista Fórum

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.