Material escolar: diferença de preços chega a 780%

Procon divulgou ontem uma pesquisa realizada em sete estabelecimentos de Criciúma

Guilherme Cordeiro / TN. Imagem ilustrativa
- PUBLICIDADE -

Érik Borges

Criciúma

- PUBLICIDADE -

A data do ano letivo se aproxima e as famosas listas de material escolar ficam em evidência, principalmente pela disparidade de preços que existe entre os produtos de um estabelecimento comercial e outro. Por isso, o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Criciúma divulgou ontem uma pesquisa de preços realizada em sete lojas.

A maior diferença de valor foi percebida em apontadores de plástico, que apresentou 780% de diferença entre o mais barato e o mais caro. Enquanto um produto custa R$ 0,25, o outro custa 2,20.

“Essa pesquisa é importante porque existe uma diferença de preços muito grande entre o menor e o maior. E se nós avaliarmos toda essa conjuntura dos 35 itens pesquisados, a gente vai ver que vale muito a pena fazer uma pesquisa antes de comprar os produtos”, recomenda o coordenador do Procon de Criciúma, Gustavo Colle.

A lista completa, feita com os itens mais baratos, totalizou R$ 123,66. Enquanto a compra dos itens mais caros da lista totalizou R$ 303,64. A média de preço dos itens das listas foi de R$ 171,05.

Foram pesquisados 35 itens escolares que são os materiais mais utilizados pelos alunos. A borracha branca foi o segundo item com maior variação de porcentagem de preço. Enquanto a mais barata custa R$ 0,20, a mais cara custa R$ 0,70, tendo a variação de R$ 250%.

“Se o consumidor comprar os itens mais baratos, poderá economizar até 146% do que se adquirir os produtos de uma lista com os itens mais caros. Com o valor do mais barato a gente consegue comprar duas listas do material escolar e ainda sobra um dinheiro”, destaca Colle.

O terceiro item que mais apresentou variação de preço foi o caderno de 96 folhas. Enquanto o mais barato está sendo vendido a R$ 4,99, o mais caro custa R$ 11,90. Isso representa uma variação de 138%. A média de preço desse produto é de R$ 5,37. “Por isso é importante a gente pesquisar e verificar qual é o item mais barato”, finaliza Colle.

Redução na quantidade do produto vendido

Determinados produtos, para não terem um alto reajuste de preço da fabricante até o consumidor final, estão apresentando redução no conteúdo vendido. Como é o caso da cola. Algumas marcas reduziram a quantidade de 110 gramas para 90 gramas.

Já outras fabricantes reduziram as folhas dos cadernos de 96 folhas para 80 e mantiveram o preço. “Os produtos têm passado por transformação do conteúdo. É preciso que o consumidor também esteja atento a isso”, alerta Colle.

A menor variação de preço foi percebida na tinta guache (seis cores), com de 62% de diferença no valor entre o mais barato e o mais caro entre os sete estabelecimentos pesquisados.

Veja a lista completa:
MATERIAL ESCOLAR JANEIRO_2021

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.