Justiça autoriza exame de sanidade mental para réu de chacina em Saudade

Para a realização do exame, o acusado será transferido para o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP), em Florianópolis

Foto: Reprodução

- PUBLICIDADE -

O Tribunal de Justiça (TJSC) divulgou nesta terça-feira (24) que autorizou a realização do exame de sanidade mental para o réu da chacina em creche de Saudades, no Oeste catarinense, e que vitimou duas professoras e três bebês.

A autorização foi concedida após a defesa do réu Fabiano Kipper Mai, 18 anos, apresentar laudo atestando esquizofrenia. Um distúrbio que afeta a capacidade da pessoa de pensar, sentir e se comportar com clareza.

- PUBLICIDADE -

Para a realização do exame, o acusado será transferido para o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP), em Florianópolis.

Enquanto o exame é realizada, em Florianópolis, o processo judicial ficará suspenso, por prazo de 45 dias, período disponibilizado aos peritos para que seja entregue o relatório e laudo de exame.

Ainda nesta terça-feira, o acusado foi ouvido durante uma hora em sessão de audiência de instrução. De acordo com o TJ-SC, o réu optou por responder somente aos questionamentos do juiz.

O crime

Na manhã do dia 4 de maio deste ano, o denunciado entrou em uma creche no município de Saudades, matou duas professoras e três bebês. Além disso, tentou matar outras 14 pessoas, entre educadoras, funcionárias e crianças. Os crimes foram feitos utilizando uma adaga que havia comprado pela internet especialmente para o ataque. O réu, que teria tentado se matar após o atentado, foi detido por populares e entregue às autoridades. Ele confessou o crime. O processo tramita em segredo de justiça.

Com informações de O Município

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.