Jovem de Urussanga une caminhada à preservação ambiental

Vitor De Brida é idealizador do projeto Clean Walk e, em quase um ano, já recolheu mais de 235 quilos de lixos nas ruas do município

Foto: Ulisses Job/ Especial TN
- PUBLICIDADE -

Urussanga

Uma pequena atitude responsável por fazer a diferença. Assim, pode ser definido o Clean Walk, um projeto idealizado pelo urussanguense Vitor De Brida, de 28 anos. Desde julho do ano passado, o jovem sai semanalmente para caminhar e aproveita a atividade física para recolher lixos que estão espalhados pelo caminho. Em quase um ano de iniciativa, mais de 235 quilos de rejeitos foram retirados das ruas do município pelo engenheiro ambiental.

- PUBLICIDADE -

“A ideia de fazer o Clean Walk surgiu através de outro projeto internacional que tem o foco na limpeza dos oceanos. Aí eu acompanhava eles há um tempo e senti o desejo de aplicar essa ideia em Urussanga. Foi aí que no dia 21 de julho de 2020 dei início à atividade. Como eu sou da área de engenharia ambiental e tenho muita apreciação pela natureza, senti esse desejo de fazer o projeto também. Ele consiste basicamente em fazer uma atividade física [caminhada] e junto dela ir recolhendo os lixos que tem pelas ruas”, explica o idealizador da iniciativa, Vitor De Brida.

Desde o início do projeto, há quase um ano, o jovem atua sozinho, mas outras pessoas também têm se interessado pela causa. “Tem vezes que eu faço o projeto junto de uma caminhada normal, sem roteiro definido. E tem vezes que eu foco num terreno que esteja cheio de lixo. Atualmente eu tenho feito mais no sábado apenas, mas a forma que o projeto vem ganhando mais divulgação e crescimento, me vejo na necessidade de torná-lo diário. Unicamente para forçar ainda mais a questão da conscientização das pessoas”, acrescenta De Brida.

O principal objetivo, além da limpeza das áreas, é fazer com que a população tenha mais cuidado com o meio ambiente. “Além da conscientização eu quero transmitir uma mensagem de esperança para as pessoas. Mostrar que pequenas ações hoje causarão grandes mudanças no futuro. E para que isso aconteça, o primeiro passo precisa ser dado. Nós temos apenas um planeta e ele precisa urgentemente da nossa ajuda”, pontua o engenheiro ambiental.

Materiais recolhidos

Entre os materiais recolhidos por De Brida estão plásticos, metais e diversos itens inservíveis. O jovem conta que já chegou a encontrar uma privada abandonada em um dos locais que passou. “Também já recolhi mais de 50 máscaras desde o início do projeto”, enfatiza. O manejo é feito com equipamentos que garantem a segurança do voluntário. “Eu tenho uma garra para pegar os rejeitos pelas ruas. E junto levo um saco de lixo para poder colocá-los e destinar para a coleta seletiva. Os que não podem ser reciclados vão num outro saco menor para ir ao aterro sanitário”, acrescenta.

Desde o início do Clean Walk, o engenheiro ambiental já passou por algumas situações, como realizar a limpeza de um local e, pouco tempo depois, estar sujo novamente. Por outro lado, a motivação em contribuir com a preservação ambiental sobressai os problemas encontrados pelo caminho. “No começo dá uma certa frustração por ver que as pessoas não entendem o recado, mas logo vejo que faz parte do objetivo do projeto. E depois que eu finalizo e deixo limpo, vem a sensação de gratidão por ter cooperado com o meio ambiente. Tenho o desejo de conscientizar as pessoas através dessa atitude”, finaliza.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.