Israel volta a bombardear Gaza após lançamento de balões pelo Hamas

Balões provocaram pelo menos 20 incêndios em Israel

Reuters/ Mohammed Salem/ Direitos reservados
- PUBLICIDADE -

Israel voltou a lançar ataques aéreos na Faixa de Gaza na noite dessa quinta-feira (17), em resposta ao lançamento de balões incendiários por parte de ativistas palestinos mobilizados pelo Hamas. É a segunda vez que Israel bombardeia a Palestina desde que foi quebrado o cessar-fogo, que durou menos de um mês.

Os ataques ocorreram depois de militantes palestinos, na fronteira de Gaza, terem lançado balões incendiários contra território israelense pelo terceiro dia consecutivo.

- PUBLICIDADE -

Os militares disseram que aviões de combate atingiram “complexos militares e um local de lançamento de rockets” do Hamas em resposta aos balões, indicando que as suas forças estão se preparando para uma “variedade de cenários, incluindo a retomada das hostilidades”.

Segundo fontes das forças de segurança palestinas, a Força Aérea israelense teve como alvo pelo menos um local a leste de Khan Younes, cidade no sul da Faixa de Gaza, enclave de 2 milhões de habitantes. Não houve relatos imediatos de vítimas dos ataques.

Os bombardeios na Faixa de Gaza foram retomados no início da madrugada de quarta-feira (16), também após o lançamento de balões incendiários a partir de território palestino. A volta dos bombardeios marcou o fim do cessar-fogo que durou apenas 25 dias. Este é o primeiro ataque israelense desde que o governo de coligação, liderado por Naftali Bennett, tomou posse, substituindo assim Benjamin Netanyahu do cargo de primeiro-ministro, que ocupou durante mais de uma década.

As hostilidades retomadas na madruga de quarta-feira ocorrem na sequência de uma marcha em Jerusalém Oriental, organizada por nacionalistas judeus e que marcou a vitória do país na guerra dos seis dias, em 1967. A Marcha das Bandeiras, ou o Dia de Jerusalém, foi o primeiro teste para o novo governo.

Israelenses radicais desfilaram pelas ruas da Cidade Velha, numa clara provocação aos palestinos de Jerusalém, que avisaram que iriam retaliar e cumpriram a promessa, ao lançar balões que provocaram pelo menos 20 incêndios em Israel.

Na quinta-feira de manhã, a polícia israelense usou granadas de atordoamento e canhões de água para dispersar manifestantes palestinos diante da Porta de Damasco, em Jerusalém. Pelo menos oito palestinos foram detidos e dezenas ficaram feridos.

O cessar-fogo alcançado pelas duas partes em 21 de maio tinha colocado um ponto final a 11 dias de guerra no mês passado. O conflito causou 260 mortos no lado palestino, incluindo crianças, adolescentes e combatentes, e 13 mortos em Israel, incluindo uma criança, uma adolescente e um soldado.

Via Agência Brasil 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.