Içara: Campanha contra a evasão escolar

Secretaria de Educação de Içara está preocupada com os alunos que estão em modo de aprendizagem remoto durante a pandemia da Covid-19

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Içara

- PUBLICIDADE -

Com o objetivo de manter crianças e jovens na escola, a Secretaria de Educação de Içara está lançando uma campanha contra a evasão. A grande preocupação é com os 25% de alunos que seguem apenas no modo remoto – iniciado em função da pandemia contra a Covid-19. Atualmente, 75% dos alunos matriculados nas escolas municipais de Içara estão no sistema hibrido – presencial e on-line – e o restante está no sistema remoto – on-line ou impresso.

A intenção é fazer com que todos os alunos assistam às aulas, presencialmente, em semanas alternadas. “Se o aluno está só no modo remoto, ele pode estar, pelo menos, parcialmente no presencial – uma semana, sim, e uma semana, não. A qualidade da aprendizagem dele é diferente, porque o estimulo que ele receberá na escola é diferente daquele que ele recebe em casa”, explica a Secretária de Educação, Ciência e Tecnologia de Içara, Rose Reynaud.

 A iniciativa contra a evasão escolar busca conscientizar os responsáveis pelas crianças sobre a importância da presença delas na escola. “Um local seguro, onde se mantém todas as medidas sanitárias e as crianças incorporam o comportamento. Assim, ele é praticado em todas as ações que a criança faz dentro da escola. Talvez a criança esteja mais segura dentro da escola do que em casa, onde talvez esse comportamento não seja um hábito, pela família se sentir em segurança”, comenta a Secretária, fazendo referência aos protocolos contra a Covid-19. “Nas famílias de classes sociais mais baixas, muitas vezes falta o sabão, às vezes não tem alcool e eles não conseguem seguir todos os protocolos recomendados. Na escola, realmente, a gente garante que são seguidos todos os protocolos sanitários”, completa.

A busca por maior qualidade de educação

A responsável pela Secretaria de Educação de Içara reforça a importância do ambiente escolar no desenvolvimento das crianças. “Existe a consciência de que, de zero a 10 anos, é a fase mais importante da estimulação do cérebro infantil. As crianças que estão fora da escola talvez tenham perdas que sejam irreversíveis e a gente gostaria de evitar isso”, pontua Rose.

Içara é uma das cidades que mais cresce na região. Porém, a intenção do Governo Municipal é fazer isso com qualidade de vida e isso inclui a educação. “Não basta crescer economicamente, se a qualidade de vida da população não acompanhar. E qualidade de vida, nós teremos com educação de qualidade e estimulo ao bom desenvolvimento. A gente vai ter essa qualidade com saúde e assistência de qualidade. Então é preciso que a gente una forças nesse sentido”, destaca.

As escolas municipais estão trabalhando em currículo contínuo: com conteúdo deste ano e recuperando as matérias do ano anterior. “Ainda assim, com certeza, teremos perda. De alguma forma precisaremos de uma ação pontual, depois, para corrigir esse tipo de defasagem que as crianças tiveram”, adverte Rose.

Todas as crianças em sala de aula, mas em momentos alternados

A intenção é receber todos os quase sete mil alunos que estão matriculados em escolas do município – inclusive os 2.771 da Educação Infantil – nas salas de aula, porém, em períodos alternados e dentro dos protocolos de segurança contra a Covid-19. “Nós vamos receber 100% dos alunos, mas adequadamente aos protocolos. A criança estará uma semana na sala de aula e uma semana on-line. O nosso sistema é hibrido e de alternância, mas nós eliminaríamos um grupo: aquele que está somente remoto”, explica Rose.

Alguns alunos que não possuem acesso à internet estão buscando as atividades e retornando com elas realizadas na escola. Esse grupo também teria os déficits de aprendizado minimizados. “Elimina o impresso e o totalmente on-line. De alguma forma, a criança estará na sala de aula. Nós vamos ter, em uma semana, 50% dos alunos em sala e, na outra semana, os outros 50% dos alunos em sala, mas estaremos atendendo 100% presencialmente, mas de forma alternada”, comenta. “Ainda assim, teremos perdas porque o ideal seria que a criança tivesse 100% dentro da escola, acompanhando todos os dias da semana, mas não é assim. Nós já vamos ter uma perda significativa, com esse modelo de ensino, enquanto persistir a pandemia, já que não temos como mudar”, completa a Secretária.

Em caso de ausência total, a reprovação é possível

A partir desta campanha, os alunos que não comparecerem 100% à escola poderão ser reprovados. “Se ela não fizer as devolutivas, infelizmente, nós não temos outra alternativa. Não é o que nós desejamos e a preocupação não é só com a frequência, mas a preocupação é com a aprendizagem. Agora, estamos fazendo todo o diagnóstico de aprendizagem  com foco principalmente do primeiro ao quinto ano do Ensino Fundamental. Nós sabemos que um ano fora da escola – com ensino apenas on-line – já trouxe uma perda significativa”, comenta Rose.

A secretária lembra que todos os professores e funcionários de escola já foram vacinados com pelo menos a primeira dose contra a Covid-19 e a intenção da campanha contra a evasão escolar é possibilitar um aprendizado maior e adequado dos alunos. “Os responsáveis pelas crianças devem se atentar que, as crianças fora da escola, significa baixo desenvolvimento intelectual, emocional e social. Isso que a gente gostaria que as crianças tivessem fazendo mais, nesse momento, para que elas tenham uma melhor aprendizagem e um futuro melhor”, finaliza.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.