Greve dos ceramistas: noite tem confusão e agressão na Portinari

Vídeos mostram discussões acaloradas entre trabalhadores e diretores da empresa; Polícia precisou ser acionada

Foto: Gilvan de França
- PUBLICIDADE -

A Cerâmica Portinari teve suas atividades paralisadas durante a noite dessa quarta-feira, dia 24, em razão da greve do Sindicato dos Ceramistas de Criciúma e região. O fato gerou tumulto, discussão acalorada, e um vídeo flagrou um dos diretores da empresa sendo agredido no rosto. A Polícia Militar precisou ser acionada para conter os ânimos.

- PUBLICIDADE -

O presidente do sindicato, Itaci de Sá, afirmou que 95% do turno três paralisou as atividades. Já os trabalhadores do turno um, de hoje pela manhã, aderiram a greve em 80%. “As máquinas estão paradas, o movimento está maravilhoso. Não temos do que reclamar dos que estão empenhados em conseguir os nossos direitos”, afirmou.

De Sá minimizou os tumultos durante da troca do turno noturno. “Foi só por conta da surpresa. A empresa achava que os trabalhadores não iriam parar, mas eles aderiram em massa. Mesmo com os diretores coagindo, puxando pelo braço”, destaca. A greve pode se estender a outras unidades. “O movimento continua, iremos paralisar outra empresa a qualquer momento”, antecipa.

Presidente do Sindiceram contesta 

Otmar Müller, presidente do Sindicato das Indústrias de Cerâmica de Criciúma, lamentou os fatos ocorridos na noite de ontem. Segundo ele, houve violência e agressão por parte dos sindicalistas para impedir a entrada dos trabalhadores na Portinari. “Com o impedimento do acesso ao trabalho, houve paralisação parcial da produção, que foi sendo retomada chegando a 70% da capacidade às 2 horas da madrugada e já a 90% às 6 horas”, indica.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.