Família perde a casa em incêndio e sai apenas com a roupa do corpo

Pai, mãe e oito filhos recebem apoio da população, mas precisam de doações de alimentos e fraldas. Secretaria de Assistência Social presta auxílio

Foto: Divulgação/ Corpo de Bombeiros
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Pai, mãe e oito filhos saíram apenas com a roupa do corpo após um incêndio que atingiu a residência em que vivia família, no início de junho. A tragédia foi registrada no bairro Morro Estevão, em Criciúma. Desde então, através de doações da comunidade, os familiares têm conseguido o básico para o dia a dia. Mesmo assim, a principal necessidade é de alimentos e fraldas.

- PUBLICIDADE -

“O que aconteceu foi um curto-circuito. A casa já era bem antiga, e foi tudo muito rápido. Quando vimos já estava pegando fogo”, explica a mãe, Edivânia Pereira. “Nessa tragédia, só sobrou a roupa do corpo, nossa e dos filhos. Só isso”, acrescenta o pai, Antônio Lauri Pereira de Maia.

Até o momento, o Corpo de Bombeiros trabalha na perícia para saber qual a causa do incêndio. O laudo deve ficar pronto nos próximos dias.

A casa em que moravam era cedida pelo dono da propriedade, em troca do cuidado da área. A única renda da família, além do programa Bolsa Família, vem do trabalho exercido pelo pai e de um dos filhos, que atua em um supermercado como menor aprendiz.  “Minha esposa é do lar, fica cuidando da criançada. Eu trabalhava como motorista em uma empresa e como mecânico”, acrescenta o pai.

Depois do incêndio, que comprometeu toda a residência, a família foi em busca de outro lugar para morar. “Eles alugaram no bairro HG uma casinha bem boa. A comunidade já deu praticamente tudo, móveis, mesas, colchões, roupas de cama, o pessoal do Conselho Tutelar e a Assistência Social de Criciúma também ajudaram. Hoje, o que eles precisam de alimentos, porque são em dez pessoas, mas eles estão bem colocados, estão bem assessorados, só alimentos que eles mais precisam”, explica a diretora da escola Núcleo Hercílio Luz, onde frequentam os filhos do casal, Mônica De Luca Honorato.

A população também busca ajudar membros da família a procurarem um emprego e, com isso, um aumento na renda. “Outro filho foi inscrito para ser jovem aprendiz na Cerâmica Elizabeth, estão todos sendo encaminhados por pessoas que ajudam. A comunidade é bem companheira, eles têm ajudado. Foi daqui, do Morro Estevão, que conseguimos algumas coisas para a casa”, acrescenta Mônica. “Graças a Deus, nós recebemos e estamos recebendo ajuda”, confirma o pai da família.

As principais necessidades da família são alimentos, principalmente leite, e fralda para dois bebês. Para quem quiser e puder contribuir, o telefone para contato é (48) 9.9835-8307.

Assistência Social acompanha situação

De acordo com o secretário de Assistência Social de Criciúma, Bruno Ferreira, no dia seguinte ao incêndio, uma equipe da Pasta esteve pessoalmente na localidade. “Fomos informados pelo caseiro que a família estava alocada na Quarta Linha e, posteriormente, na semana seguinte, a equipe esteve na casa dos familiares prestando todo o auxílio e atendimento”, explica.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.