Empresários do comércio questionam plano estadual de vacinação

No novo Plano a vacinação prioritária está prevista para caminhoneiros, trabalhadores do transporte aéreo, ferroviário, aquaviário, metroviário, e coletivo rodoviário

Foto: Julio Cavalheiro/Secom
- PUBLICIDADE -

Em ofício encaminhado ao governo de Santa Catarina na semana passada, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio/SC) questiona a decisão do Executivo de incluir novos grupos prioritários no Plano Estadual de Vacinação deixando de fora os trabalhadores do comércio, serviços e turismo.

No texto, a entidade afirma que “apesar dos nossos profissionais executarem atividade de risco e extrema exposição no atendimento ao público, não foram considerados pelas autoridades neste momento de reanálise do plano, nem mesmo aqueles que sustentam os serviços considerados essenciais”.

- PUBLICIDADE -

A Federação questiona justamente a inclusão dos novos grupos com a exclusão de outros e pergunta qual o critério técnico e sanitário adotado pelo governo. No novo Plano anunciado pelo Executivo, a vacinação prioritária está prevista para caminhoneiros, trabalhadores do transporte aéreo, ferroviário, aquaviário, metroviário, e coletivo rodoviário, além de trabalhadores portuários e trabalhadores industriais.

O plano deixa de fora entregadores de alimentos, atendentes de farmácia e frentistas, por exemplo, entre outras atividades consideradas essenciais pelo próprio governo e que têm contato constante com o público.

A entidade pede “revisão urgente” para que, entre os funcionários de atividades privadas, os trabalhadores do comércio, serviços e turismo sejam os primeiros a serem vacinados. O documento é assinado pelo presidente da Federação, Bruno Breithaupt.

Via Rede Catarinense de Noticias 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.