Criciúma: portas de alumínio são furtadas no cemitério do São Luiz

Letreiros das lápides também já foram levadas. Empresa responsável pela gestão informa que está investindo na segurança do local


- PUBLICIDADE -

Érik Borges

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Portas de alumínio e letreiros de lápides estão sendo furtadas de capelas do cemitério do bairro São Luiz, em Criciúma. Os crimes estão gerando indignação da população, que reclamam da falta de segurança no local.

Como é o caso do dono de uma capela que foi alvo dos criminosos, que roubaram a porta de alumínio do local. Ele mostra imagens das capelas com as portas arrancadas e diz que essa prática está ocorrendo há algumas semanas. “As que mais estão sendo furtadas são as capelas que ficam no final do cemitério, do lado direito. São várias sem porta e sem as letras”, relata o morador do bairro.

A empresa que administra o cemitério admite que os furtos estão ocorrendo no local, mas o diretor da empresa responsável pela gestão do cemitério, Emerson Locatelli conta que investimentos estão sendo realizados para melhorar a segurança do cemitério. De acordo com ele, dentre as medidas que estão sendo tomadas estão a solicitação de reforço da presença policial, assim como a colocação de cercas com concertinas (arame farpado).

“Ou seja, um investimento bem alto para cercar todos os 950 metros de área do cemitério. Estamos cercando todas as laterais e fundo do cemitério do bairro São Luiz. Também temos vigias noturnos”, destaca Locatelli.

Ele conta que, embora não tenha vigia durante o dia, estão no local os funcionários que ficam monitorando, mas em razão do fluxo de pessoas diariamente, não é possível monitorar todos, também em razão de o cemitério ser grande. “Mas algumas pessoas que cometeram delitos já foram presas. Nós estamos arcando com todas as despesas, assim como melhorando cada vez mais a segurança no local. Também já comunicamos o setor de Patrimônios da Prefeitura sobre isso”, completa Locatelli.

Cemitérios de Criciúma serão fiscalizados pela Divisão de Fiscalização Urbana

Manuela da Silva/Câmara de Vereadores

 Criciúma

A fiscalização dos cemitérios em Criciúma ficará a cargo da Divisão de Fiscalização Urbana (DFU) do município. O Projeto do Executivo 75/2021 foi aprovado durante a sessão na Câmara de Vereadores, ontem.

Antes a fiscalização era feita pela Secretaria Municipal de Assistência Social, mas com a responsabilidade passando para DFU, a mudança se dá com o intuito de melhorar a fiscalização e punir eventuais irregularidades neste tipo de serviço público.

De acordo com o responsável pela Divisão de Fiscalização Urbana (DFU), Aldinei Potelecki, essa mudança trará benefícios para a população, porque ele conta que a Assistência Social não tem atualmente nenhum fiscal voltado especificamente para essa situação. “Por conta disso que ficava deficiente essa questão da fiscalização de cemitérios ou serviços funerários. Uma vez que passa para a fiscalização urbana, a gente vai acompanhar todo o trabalho disponibilizado ao cidadão por parte dos cemitérios e também serviços funerários”, explica Potelecki.

Ele conta que a DFU também acompanhará os trabalhos na Central Funerária. “Precisamos cada vez mais melhorar o serviço ao cidadão e garantir que todos tenham acesso e que os serviços funerários aconteçam da melhor forma possível”, acrescenta Potelecki.

Ao ser questionado sobre os furtos recorrentes de postas e letreiros no cemitério, Potelecki declarou que geralmente os furtos acontecem em horários noturnos ou em fins de semana, em horários em que não há visitantes no local. “E aí o que cabe ao município da parte de fiscalização é ver se os serviços estão sendo prestados corretamente. Mas com relação aos furtos, é uma questão mais ligada a área policial. De repente fazer uma ronda mais preventiva, assim por diante”, sugere Potelecki.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.