Criciúma: passeio de locomotiva retorna ao Parque das Nações

Percurso de aproximadamente 800 metros é gratuito e seguirá todas as medidas sanitárias

Foto: Arquivo/Decom
- PUBLICIDADE -

A principal atração do Parque da Nações Cincinato Naspolini, está novamente disponível à população. O passeio da locomotiva “Teresinha 01” retornou nessa semana. A excursão pelo parque é gratuita, e funciona de terça a sexta, das 8h às 11h e das 13h às 15h, e nos sábados e domingos das 14h às 18h. Nas segundas são realizadas a revisão e manutenção preventiva dos equipamentos.

A locomotiva foi construída pelo Museu Ferroviário de Tubarão, numa parceria entre o Governo de Criciúma e a Ferrovia Tereza Cristina, sendo uma réplica de um modelo alemão da década de 1920. Já a estação é uma reprodução da primeira parada da história da cidade, de 1919, da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina. Desativada em 1975, o leito de seus antigos trilhos se tornou a atual Avenida Centenário.

- PUBLICIDADE -

O administrador do Parque das Nações, Guilherme Bonassa, acredita na importância cultural da atração. “É um pouco da nossa história, um dos maiores pontos turísticos que temos. É muito procurado, não só por pessoas de Criciúma, como de outras cidades também”, afirmou. De acordo com ele, quase 50% dos que frequentam o passeio são moradores de municípios vizinhos ou até mesmo de outros estados.

A primeira viagem da locomotiva ocorreu em 2009, e a inauguração oficial do conjunto foi realizada em 2011, pelo prefeito Clésio Salvaro. Antes da pandemia o local recebia cerca de 4mil passageiros todos os meses, numa capacidade de 40 pessoas por vez. No momento, a lotação permitida é de 20 pessoas, sendo dez em cada vagão, obrigatoriamente utilizando máscaras e álcool em gel.

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.