Covid em SC: Consumo de oxigênio cresceu até 167% em março

Além disso, os dados da Secretaria mostram que não haverá redução imediata de consumo e pedem contratação emergencial tanto de oxigênio líquido, quanto de oxigênio gasoso e ainda outros gases medicinais e locação de tanques de armazenamento

Fonte: Rede Catarinense de Notícias
- PUBLICIDADE -

Com a alta da procura por atendimento médico e leitos de UTIs destinados à Covid lotados, o consumo de oxigênio nas unidades hospitalares estaduais de Santa Catarina cresceu até 167% em março. Dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES) apontam que o consumo de oxigênio líquido em fevereiro foi de 103,6 mil m³; já em março, esse número pulou para 277,5 mil m³ (+167%).

No consumo de oxigênio gasoso, o cenário se repete. O consumo em fevereiro foi de 1.496,7 m³; já em março, foi de 2.951,1 m³. Alta de 97,1%. Os valores são um recorde e estão muito acima do normal, mesmo para os parâmetros da pandemia.

- PUBLICIDADE -

Além disso, os dados da Secretaria mostram que não haverá redução imediata de consumo e pedem contratação emergencial tanto de oxigênio líquido, quanto de oxigênio gasoso e ainda outros gases medicinais e locação de tanques de armazenamento.

A alta taxa registrada em março está ligada à abertura de novos leitos e a lotação de 100% das unidades em quase todo o período.

O consumo apontado no gráfico leva em conta apenas os hospitais geridos pela SES. Segundo membros da pasta, não há risco de falta de insumos a curto prazo, e a Secretaria tem trabalhado para aumentar a oferta. O mesmo valeria para medicamentos, especialmente os do chamado ‘kit intubação’. Os técnicos estão desde fevereiro emitindo alertas para os gestores aumentarem o estoque.

No caso dos hospitais filantrópicos e privados, também não houve registro da falta do insumo, mas a pressão sobre o fornecimento assustou os técnicos dos hospitais. Segundo a Federação das Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas de SC (Fehosc), não há risco imediato de carência de oxigênio, mas os preços praticados na contratação de insumos estão muito elevados, o que têm prejudicado a vida financeira destas instituições.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.