Centenário de Dom Paulo Evaristo Arns é celebrado em sessão solene

Ele foi celebrado em uma sessão solene da Assembleia Legislativa na noite da última sexta-feira, 05, em Forquilhinha

Foto: Divulgação/Alesc

- PUBLICIDADE -

Os 100 anos de nascimento do Frade Franciscano e Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns foram celebrados em uma sessão solene da Assembleia Legislativa na noite desta sexta-feira, 05. No evento, realizado na cidade de Forquilhinha, também foram destacadas instituições do Sul catarinense que mantém vivos os exemplos do homenageado.

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

- PUBLICIDADE -

Lilian Arns, sobrinha de Dom Paulo, e Mauricia Michels Arns, cunhada do religioso, receberam do deputado Julio Garcia (PSD), que presidiu o evento, a homenagem em nome da família. Proponente da sessão solene, o deputado Padre Pedro Baldissera (PT) destaca que Dom Paulo começou em Forquilhinha, sua terra natal, o trabalho que lhe deu notoriedade no Brasil e no mundo. “Coragem nunca faltou a este forquilhense, homem corajoso e sua biografia é testemunho vivo do destemor e do enfrentamento”, cita. Segundo o parlamentar, o homenageado “continua vivo naqueles e naquelas que defendem direitos humanos”. Baldissera lembrou ainda que Dom Paulo combateu a Ditadura de forma altiva e ativa. “Destacou-se por sua luta política contra as torturas e se destacou na campanha das Diretas Já. Atuou sempre contra a violência e violação dos direitos humanos.”

O deputado comenta ainda que as lutas sociais ganharam mais visibilidade com as ações de Dom Paulo. “Em São Paulo, criou a Pastoral do Povo da Rua para atender moradores em situação de rua”. Baldissera, que conheceu pessoalmente o homenageado quando viveu no interior paulista, disse que a simpatia, força e humildade de Dom Paulo eram “muito contagiantes”.

O deputado Rodrigo Minoto (PDT), que também nasceu em Forquilhinha, avalia que a Alesc fez uma justa homenagem a um cidadão “que tanto honrou” a cidade e o país. “Para nós que somos daqui, nos enche de orgulho. Ele era uma pessoa que tinha conhecimento enorme, reconhecido nacional e internacionalmente. Cuidava da vida das pessoas e principalmente daquelas que eram excluídas. Com coragem enfrentou os palácios da Ditadura, acolheu os perseguidos que corriam risco de vida. É uma história que fica registrada dos grandes homens do nosso país”.

Para o deputado federal Ricardo Guidi (PSD/SC), o homenageado é uma pessoa que deixou um legado muito importante para todos. “De tantos filhos ilustres que a cidade teve, Dom Paulo é o que mais se destaca, foi arcebispo de São Paulo e Cardeal do Brasil. Soube viver com os pobres e para os pobres, assim como Jesus sempre pregou”, ressalta. Para o parlamentar, isso é motivo de orgulho para o povo de Forquilhinha e exemplo para o mundo.

Representando os homenageados, o padre Wilson Buss disse se sentir muito à vontade ao poder falar por ter conhecido Dom Paulo. De acordo com ele, o homenageado viveu com intensidade. “Isso inspira tantos de nós a estarmos próximos das pessoas. O grande lema que ele assumiu, viver de esperança em esperança, é algo que hoje nós precisamos muito para continuarmos crescendo, para construir uma vida de solidariedade. Ele nos ensina muito. Podemos ter pensamentos diferentes, mas o respeito à solidariedade deve estar acima de tudo.”

O prefeito do município, José Cláudio Gonçalves (PSD), fala sobre a trajetória religiosa que o conterrâneo teve. “Lutou pela liberdade dos menos favorecidos, dos oprimidos, discriminados e perseguidos. Toda sua vida foi pautada pela doação, lutando por quem mais precisava, dando vez e voz para quem não tinha vez nem voz”, contou. Para o chefe do Executivo local, a sessão solene foi um ato muito importante da Assembleia Legislativa.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.