Alesc aprova prioridade da vacina para lactantes

Na justificativa, o autor, deputado João Amin, argumentou que a medida poderia levar anticorpos para as crianças, e que elas são grupo vulnerável já que não estão no mapa da vacinação, nem usam máscaras

Foto: Arquivo/ TN
- PUBLICIDADE -

O plenário da Assembleia Legislativa de SC (Alesc) aprovou na tarde desta quarta-feira (16) um Projeto de Lei (PL) que coloca as lactantes como grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina. O texto foi aprovado por unanimidade e seguirá para sanção, ou veto, do governador do Estado.

Na justificativa, o autor, deputado João Amin (Progressistas), argumentou que a medida poderia levar anticorpos para as crianças, e que elas são grupo vulnerável já que não estão no mapa da vacinação, nem usam máscaras.

- PUBLICIDADE -

As lactantes não são um grupo prioritário segundo o Plano Estadual de Vacinação. A imunização havia iniciado apenas para gestantes e puérperas (que são as lactantes até 45 dias após o parto), mas foi suspensa pelo Ministério da Saúde após o óbito de uma grávida no Rio de Janeiro. O caso está sob investigação.

Em Santa Catarina, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) ainda estuda o reinício da imunização de grávidas e puérperas sem comorbidades. As que têm comorbidades estão sendo vacinadas com os imunizantes da Coronavac e Pfizer (a grávida que faleceu havia recebido dose da AstraZeneca).

A medida é vista de maneira negativa por gestores da saúde. A preferência dos secretários municipais é seguir a vacinação por faixa etária já que facilita a conferência de documentos e acelera o processo de imunização. Inclusive, os gestores discutem um documento a fim de pedir ao Ministério da Saúde para que não elenque novos grupos prioritários.

Via Rede Catarinense de Noticias 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.