Tigre: O ídolo que volta a vestir a camisa 1

Aos 42 anos, Roberto será o titular da meta carvoeira, diante do São José (RS), na noite de hoje


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Lá se vão mais de 16 anos, desde que Roberto fez o último jogo oficial com a camisa do Criciúma. Foi na derrota para a Portuguesa, fora de casa, na Série B do Brasileirão daquele ano. Logo depois, o goleiro deixou o Tigre para seguir a carreira. De lá para cá, o agora experiente jogador acumulou passagens por grandes clubes do Brasil, como Vasco e Ponte Preta, e também pelo futebol Europeu e da Índia, até retornar à cidade para defender o Próspera e depois ser contratado pelo Criciúma.

Roberto não esconde a ansiedade para entrar em campo com o manto carvoeiro. “A expectativa é grande. Vontade. Por tudo que trabalhei esperando este momento, então é um momento muito especial na minha vida. É entrar em campo para desfrutar”, conta.

O goleiro se considera bem fisicamente e elogia o trabalho do preparador Maurício Dacoregio. “Ele deixa os goleiros todos prontos para jogar. Qualquer goleiro que vestir a camisa do Criciúma estará pronto. E eu não sou diferente. Temos que valorizar o trabalho dele e o nosso. O ambiente dos goleiros é muito bom. Todo dia um da força para o outro. Como manda o manual dos goleiros. Como tem que ser”, explica Roberto.

Durante um dos dias de treinos, após a derrota para o Ituano, Roberto fez um discurso para o elenco, como forma de ajudar a recuperar o ânimo dos colegas. Ele usou a experiência adquirida durante a carreira para tranquilizar principalmente os mais jovens. “Viemos de duas derrotas fora. É hora de alinhar as velas. E, nessas horas, eu conto um pouco do que eu passei na minha vida e nesses momentos difíceis. Como superei. Isso é importante. Alguns atletas são experientes, mas outros são jovens e escutam o que eu falo. É sempre bom passar um pouco, para dar aquela tranquilizada, saber o que tem que fazer, saber do nosso objetivo, focar nele e trabalhar”, comenta.

Roberto diz que o momento é de união e muito trabalho. “No momento difícil, temos que trabalhar. Foi o que eu falei: quando a coisa está ruim, agrupa. Tanto dentro quanto fora de campo. Nas dificuldades, os grupos que trabalhei sempre superou”, pontua.

O goleiro acredita que o jogo é importante para o Criciúma fazer valer a força do Majestoso. “Jogo muito importante. Temos que voltar. Nosso objetivo é estar entre os quatro quando acabar a primeira fase. Esse jogo é muito difícil e importante. Dentro de casa. Temos que fazer valer nossa força. Para retomar e voltar ao G4 que é o nosso objetivo”, finaliza.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.