- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Florianópolis

- PUBLICIDADE -

Fotos: Celso da Luz/CEC

Faltou competência e pontaria para que o Tricolor Carvoeiro vencesse o primeiro jogo no Catarinense deste ano. Na tarde de ontem, o time treinado por Hemerson Maria não saiu o 0 a 0 com o Figueirense, na Capital, e segue na zona de rebaixamento do Estadual, com apenas dois pontos ganhos em quatro partidas. Melhor no jogo e dominando as ações, o Tigre não conseguiu abrir o placar e empilhou chances perdidas, principalmente no primeiro tempo, com Moacir e Pedrinho. Agora, a equipe carvoeira está há mais de quatro partidas – quase cinco – sem marcar um único gol. Até o momento, apenas o lateral Léo, na estreia, contra o Hercílio Luz balançou as redes adversárias pelo Criciúma em 2021.

O Figueirense começou o jogo pressionando o Tigre, que não conseguia sair do campo defensivo, nos primeiros cinco minutos, mas o time da Capital não teve chances claras, apesar de estar melhor na partida. Depois, o Criciúma equilibrou a partida, mas sofria com a falta de um armador para criar jogadas de mais perigo. Gabriel Silva na esquerda e Pedrinho no comando do ataque eram as principais opções. Aos 14 minutos, Gabriel Silva caiu do centro para a esquerda, passou pelo zagueiro Paulo Ricardo e tocou para Pedrinho, que ficou de frente para o gol, mas finalizou por cima e perdeu uma chance incrível de gol.

Aos 20 minutos, novamente Gabriel Silva, desta vez pelo meio, teve tudo para chutar para o gol, mas tocou para Moacir, que finalizou por cima da trave. O Tigre criou as melhores chances até a metade do primeiro tempo. Aos 22 minutos, Alê Santos cobrou falta com força, de longe, da intermediária, e passou perto da trave de Gustavo. Aos 26 minutos, mais uma vez Gabriel Silva pela esquerda fez boa jogada e cruzou para Moacir, livre, de frente para o gol, ele fez uma finta, perdeu tempo e bateu desviado. Outra chance de gol perdida pelo Tigre.

Com o Figueirense mais retraído, o Criciúma buscava o ataque. Aos 33 minutos, Pedrinho fez boa jogada pelo meio e chutou, mas a bola saiu desviada pela linha de fundo. A partida estava sob domínio do Criciúma, que desperdiçava oportunidades de matar o jogo. Aos 37 minutos, novamente Gabriel Silva arrancou pelo meio e foi derrubado por Patrick. Falta na intermediária. Pedrinho bateu e Emerson Júnior pegou. O Tricolor Carvoeiro dominava o confronto. Aos 41 minutos, Gabriel Rodrigues finalizou mal e a bola subiu. Uma das poucas chegadas do Figueira após os 15 minutos. O Tigre finalizou o primeiro tempo com o domínio da partida, mas sem abrir o placar. “Pensei em chutar de primeira, mas tinha dois jogadores chegando. Tivemos algumas chances, agora é ter tranquilidade para fazer o gol, pois estamos bem seguros atrás”, comenta o volante Moacir, no intervalo.

Equipes tentam o gol, mas sem sucesso

A etapa final começou com os dois times buscando o ataque. Os dois camisas 9 finalizaram antes dos dois minutos: Gabriel Rodrigues, do Figueirense, e Gabriel Silva, do Tigre. Ambos os chutes defendidos pelos goleiros. Aos sete minutos, Carlinhos apareceu pela esquerda e tentou finalizar, mas a bola saiu totalmente torta e pela linha de lado. O Furacão do Estreito tentava buscar o ataque, mas a partida seguia equilibrada.

O Tigre errava muitos passes pelo meio e não conseguia ter o mesmo ímpeto do primeiro tempo. O time de Hemerson Maria pouco pressionava o Figueira nesta altura da partida. Aos 17 minutos, Breno cruzou da direita, mas Alê Santos não conseguiu cabecear e perdeu uma boa chance de marcar para o Figueirense. Dois minutos depois, Helder cruzou da esquerda, Gabriel Silva desviou e a bola bateu no travessão. Antes, o goleiro Emerson Júnior chegou a bater na bola. Grande lance para o Tigre, que quase abriu o marcador. Aos 23 minutos, Pedrinho fez boa jogada pela esquerda e bateu, mas a bola saiu ao lado da trave de Emerson Júnior. Mais retraído, o Criciúma mudou a postura na etapa final, buscando o contra-ataque, mas errava muito o último passe, antes da conclusão.

Aos 33 minutos, Pedrinho cruzou, mas Vinicius Tsumita, dentro da área, finalizou errado. Outra chance perdida pelo Criciúma. Nos últimos 15 minutos, os dois times perderam força, ainda assim seguiram buscando o ataque, mas sem sucesso. Desta forma, o clássico terminou da forma como começou: 0 a 0. Mau resultado para o Criciúma, que segue na zona de rebaixamento do Catarinense.

Campeonato Catarinense – 4ª Rodada – Turno

Domingo (21/03) – 16 horas – estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis

FIGUEIRENSE

Emerson Júnior; Everton Santos, Felipe Gregório, Paulo Ricardo e Carlinhos (Italo); Patrick (Lincon), Alê Santos e Marllon (Breno); Pedro Maranhão (Crystian), Gabriel Rodrigues (Blaise) e Denner. Técnico: Jorginho Cantinflas

CRICIÚMA

Gustavo; Léo, Alemão, Marcel Scalese e Helder; Adenilson, Moacir (Marcus Índio), Eduardo e Mateus Anderson (Vinícius Tsumita); Gabriel Silva (Eduardo Melo) e Pedrinho (Léo Campos). Técnico: Hemerson Maria

Arbitragem: Heber Roberto Lopes; Auxiliares: Thiaggo Americano Labes e Bruno Müller

GOLS: Não Houve

Cartões Amarelos: Patrick, Pedro Maranhão, Paulo Ricardo e Crystian (F); Léo (C)

Cartões Vermelhos: Não Houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.