Caravaggio perde o jogo de ida da final

Azulão da Montanha leva 1 a 0 para o Blumenau e, agora, precisa vencer o adversário, no domingo, para ficar com a taça da Série C do Catarinense


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Indaial

- PUBLICIDADE -

Fotos: Thais Spillere / Caravaggio Futebol Clube

O Caravaggio terá que correr atrás do prejuízo para conquistar o primeiro título do clube no futebol profissional. Na tarde desta quarta-feira, o Azulão da Montanha perdeu por 1 a 0 para o Blumenau, no estádio Ervin Blaese, em Indaial, e agora precisa vencer, obrigatoriamente, a segunda partida, no domingo, a partir das 16 horas, no Heriberto Hülse, para ficar com a taça da Série C do Catarinense. O Blumenau joga pelo empate para conquistar o trofeu.

Após um primeiro tempo com pouca emoção, Thiaguinho, aos 17 minutos do segundo tempo, marcou o gol do jogo e deixou o Azulão da Montanha em situação mais difícil na Série C doa Catarinense. Por ter a melhor campanha na primeira fase, o Caravaggio fica com a taça se vencer por um gol de diferença na partida de volta.

O jogo começou bastante disputado, mas com uma leve vantagem para o time da casa, que tomava mais as iniciativas. Mesmo assim, o Caravaggio não se acovardava e tentava chegar à frente com Maicon Ermo e Giba, que armavam as jogadas. Porém, nos primeiros 10 minutos, as equipes se preocupavam mais com a marcação do que com a criação das jogadas. Aos 14 minutos, Thiaguinho fez boa jogada, mas foi individualista, o famoso “fominha”, e perdeu a bola para Baiano. Foi a primeira chegada mais perigosa da partida.

Aos 19 minutos, Thiaguinho e Sales fizeram boa jogada pela direita e o camisa 2 do Blumenau cruzou, mas Baiano colocou para escanteio. Aos 24 minutos, após falha de Sabella, Giba fez boa jogada pela esquerda, passou por dois adversários, e foi derrubado com falta pela esquerda. Maicon Ermo cobrou, mas a defesa afastou. Dois minutos depois, Giba apareceu pela direita, entrou na área e bateu forte, mas Caio fez boa defesa e colocou para escanteio. Melhor oportunidade do Caravaggio até aquele momento da partida.

O Azulão tomou conta da partida. Aos 29 minutos, Alisson fez boa jogada pela direita e cruzou para Marcel Emerim, que fechou no meio da área e cabeceou tirando tinta da trave de Caio. Outra chance de perigo para o time de Nova Veneza. No minuto seguinte, Rafinha Potiguar bateu forte, da intermediária, mas Marcão pegou firme, no centro do gol. Aos 32 minutos, Thiaguinho recebeu, novamente de fora de área, e arriscou, mas a bola saiu pela linha de fundo, com desvio: escanteio.  Na cobrança, a zaga do Carava afastou.

Aos 34 minutos, Giba fez boa jogada pela direita e foi derrubado. Falta. Na cobrança, a zaga do Blumenau afastou. A primeira etapa se encerrou com a partida disputada e equilibrada por ambos os lados.

A velha máxima: “Quem não faz, leva”

Na etapa final, o Caravaggio voltou buscando os contra-ataques, enquanto o Blumenau tomava as iniciativas da partida. Aos sete minutos, Felipinho impediu a cobrança rápida do Blumenau e acabou levando cartão amarelo. O meia do Azulão se desentendeu com Léo Campos. Aos nove minutos, Baiano tentou de cabeça, após cobrança de escanteio, mas a bola saiu.

O Caravaggio tinha mais vontade de vencer o jogo, enquanto o Blumenau voltou devagar para o segundo tempo. Aos 17 minutos, após boa jogada de Ederson pela esquerda, Felipinho não alcançou o cruzamento, no meio da área, e desperdiçou a chance. Na sequência, a velha máxima do futebol se fez presente: “Quem não faz, leva”. Danielzinho avançou pela esquerda e tocou para Rafinha Potiguar que avançou pelo meio e tocou para Thiaguinho, na direita. O camisa 7 do Blumenau cortou a marcação e bateu forte no canto de Marcão, que não alcançou: 1 a 0 para o time da casa.

Aos 22 minutos, Thiaguinho fez o cruzamento da direita e Junior Juazeiro cabeceou, na segunda trave, e deslocou o goleiro Marcão, mas a bola atravessou a área e não entrou. Quase o segundo gol do time da casa. Aos 30 minutos, Thiaguinho arrancou em velocidade pela direita, entrou na área e caiu. O atacante do Blumenau pediu pênalti, mas o árbitro nada marcou.

Aos 36 minutos do segundo tempo, Léo Campos bateu falta da direita e a bola bateu na trave, salvando o Caravaggio do segundo gol do time da casa. Aos 38 minutos do segundo tempo, Marcel Emerim finalizou cruzado, o goleiro Caio apenas olhou, mas Wagnão e João Arroio não alcançaram. Chance perdida pelo Azulão da Montanha. Aos 40 minutos, João Arroio avançou pelo meio, em velocidade, e bateu forte, mas Caio pegou e evitou o empate. No minuto seguinte, Ederson fez jogada individual pela esquerda e foi derrubado na entrada da área. Maicon Ermo fez grande cobrança e Caio defendeu de forma espetacular. Aos 43 minutos, Ederson evitou um contra-ataque de Thiaguinho e levou o segundo amarelo. Expulsão do lateral esquerdo do Azulão. Aos 46 minutos, Giba recebeu na intermediária, pelo meio, e bateu forte, Caio defendeu parcialmente e Wagnão concluiu, mas o camisa 1 do Blumenau teve sorte, pois a bola bateu no pé de apoio dele e saiu. No final, derrota do Caravaggio na partida de ida na decisão da Série C.

Campeonato Catarinense – Série C – Final – Jogo de Ida

Quarta-feira (24/11) – 15h30 – estádio Ervin Blaese, em Indaial

BLUMENAU

Caio; Gabriel Sales, Jadson (Braga), João Consolaro (Luan) e Danielzinho; Rafinha Potiguar, Rafael Sabella (Roberto) e Leo Campos; Thiaguinho, Júnior Juazeiro (Thales Quadros) e Luis Gustavo (Wallisson). Técnico: Elton Belz

CARAVAGGIO

Marcão; Alisson, Baiano, Rafael Bahia e Ederson; Igor, Felipinho (João Arroio), Maicon Ermo e Giba; Maicon Santana (Wagnão) e Marcel Emerim. Técnico: Chumbo

Arbitragem: Franciel dos Santos Martins. Auxiliares: José Roberto Larroyd e Clóvis Herdt

GOLS: Thiaguinho (B) (17/2T)

Cartões Amarelos: João Consolaro, Léo Campos, Roberto, Jadson e Luis Gustavo (B); Ederson, Felipinho e Rafael Bahia (C)

Cartões Vermelhos: Ederson (C)

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.