Criciúma: estudantes surdos estão se adaptando as modalidades de ensino

Escola Polo de Surdos possui 22 alunos. O novo momento está sendo um desafio, já que os estudantes exploram muito de recursos visuais

Foto: Divulgação/ Ana de Mattia
- PUBLICIDADE -

O momento que a Educação está vivendo é desafiador e único. Professores e alunos precisam se reinventar para deixar vivo a vontade de ensinar e aprender. Como ocorre na Escola Polo de Surdos, que fica na Escola de Educação Básica Municipal (EMEB) Professora Maria de Lourdes Carneiro, do bairro Vila Francesa, que precisou se reformular para atender aos 22 alunos surdos da rede municipal, que estão nas aulas presenciais, remotas ou impressas.

Conforme a professora bilíngue da Escola Polo de Surdos, Aline Girardi Felício Martinho, cada modelo de aula é preciso ter um planejamento e adaptações que contemplam e supram as necessidades dos estudantes. “Eu sou professora bilíngue e é necessário explorar os recursos visuais, pois a comunicação com o estudante surdo é visual motora. Já para os estudantes que estão remotos é fundamental para a compreensão que os recursos visuais sejam abundantes. 2020 foi um ano de superação e este ano não está sendo diferente, pois é necessário a cada dia se reavaliar e se reinventar para conseguir alcançar e contemplar cada estudante”, frisou a professora.

- PUBLICIDADE -

O aluno do 6º ano, Marcos Vinícius dos Anjos Goulart, voltou este ano com aulas presenciais. A opção dos pais foi quando perceberam que no ano passado que ele não estava se adaptando com aulas remotas, e optaram pelo retorno presencial. “Mesmo com o medo, a volta às aulas desse ano está sendo bom. Já percebemos uma melhora nele nos últimos meses, no ano passado ele não prestava muita atenção na atividade impressa. A Escola Polo de Surdos contribuiu para que ele melhorasse a comunicação com colegas surdos e conosco em casa”, ressaltou a mãe do Marcos, Angelica Fernandes Dos Anjos.

Os recursos utilizados são imagens, vídeos e escrita, com adequações em Língua Brasileiras de Sinais (Libras) e na Língua Portuguesa para cada modelo, tendo como objetivo o aprendizado e desenvolvimento do estudante nas duas línguas. A mãe da aluna do 7º ano, Maria Ieda Vieira Pizzolo, escolheu receber o material impresso devido a sua dificuldade na escrita. “Para ela o material impresso foi mais fácil por causa da dificuldade para escrever. Mas este ano está mais tranquilo que o ano passado, pois tenho duas filhas e as duas eram impressas e tinha que dar atenção para uma e depois para outra. Agora, uma voltou no presencial e a Maria Ieda continuo no impresso”, relatou a mãe da estudante, Daniela da Costa Vieira Pizzolo.

Ao todo, 12 crianças no presencial, com uma professora regente e professora bilíngue, seis alunos estão buscando material impresso e quatro alunos estão com atividades remotas.  “Fizemos uma pesquisa no começo do ano e os pais podiam optar pela melhor modalidade para seus filhos, muitos alunos da Escola Polo de Surdos possuem outras comorbidades ou deficiências, então, os pais optaram por deixá-los em casa e preservar a saúde deles”, afirmou a coordenadora pedagógica, Úrsula Silveira Borges Domingos. “Agora, para os alunos presenciais, uma vez na semana, estamos ofertando o Atendimento Educacional Especializado (AEE) com a professora ouvinte e o AEE em Libras com uma professora surda”, completou.

Além disso, os professores estão sempre disponíveis para ajudar os estudantes. “É um momento de superação e criatividade. Nossos professores estão sempre à disposição dos alunos. Como por exemplo, no impresso, se o aluno tem alguma dificuldade, a professora grava vídeos explicando e encaminha via WhatsApp, sendo uma ferramenta que nem está na nossa estratégia, mas é utilizada pela praticidade”, ressaltou o secretário municipal de Educação, Miri Dagostim.

O uso da máscara na dinâmica das aulas

Libras é uma língua visual motora e são usadas expressões faciais, que correspondem a 50% da língua. De acordo com a professora, o uso da máscara atrapalha essa troca entre os estudantes e os professores. “Como a comunicação é muito visual, pois marcam grau de intensidade, tamanho, negação, interrogação, ênfase, alegria, angustia, ansiedade, sofrimento, e com a máscara é impossível visualizar as expressões, ficando a comunicação prejudicada”, explicou.

A rotina no ambiente escolar também mudou. Os estudantes presenciais e os profissionais precisaram se adaptar com a nova rotina de uso e troca de máscara, distanciamento, higienização periódica. “Não foi e não está sendo fácil, mas os novos hábitos já fazem parte do ambiente escolar, mesmo com tantas restrições e cuidados que o momento nos pede o retorno as aulas está sendo prazeroso”, completou a professora.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.