Vacinação contribuiu para crescimento econômico em SC, diz pesquisa

Em abril, maio e junho, quando houve maior controle sobre a pandemia, as vendas aumentaram em quase metade

Foto: Arquivo / TN

- PUBLICIDADE -

O Observatório de Negócios do Sebrae/SC divulgou nesta sexta-feira (17) uma pesquisa em que aponta a relação entre o avanço da vacinação e a retomada econômica em Santa Catarina. O estudo, realizado com 810 micro e pequenas empresas em julho, avaliou o desempenho econômico no segundo trimestre de 2021 e as expectativas para o terceiro trimestre do ano.

Em abril, maio e junho, quando houve maior controle sobre a pandemia, as vendas aumentaram em quase metade (44,9%) dos pequenos negócios e caíram em 25% deles; 30,7% relataram situação semelhante ao trimestre anterior.

- PUBLICIDADE -

“O avanço da vacinação tem contribuído diretamente para a melhoria do ambiente de negócios e para a retomada de faturamento dos pequenos negócios. Além disso, percebemos que o otimismo dos empresários para os próximos meses está maior, levando em um aumento de investimentos”, disse o diretor superintendente do Sebrae/SC, Carlos Henrique Ramos Fonseca.

A Indústria segue como o setor mais fortalecido após a pandemia e registra o maior número de empresas que tiveram crescimento entre os setores no trimestre. Os setores de Serviços e Comércio também tiveram aumento nas vendas.

Entre os portes, as pequenas empresas mostraram reação mais expressiva e 50,2% registraram crescimento nas vendas no trimestre. O MEI é o único segmento de porte em que predominou a diminuição nas vendas (38,2%).

Vendas na internet

A pesquisa do Observatório de Negócios do Sebrae/SC apontou que o uso das redes sociais é uma ferramenta muito dinâmica nas vendas dos pequenos negócios. Instagram, Facebook e WhatsApp foram as redes sociais preferidas entre aqueles que utilizaram as mídias digitais.

Dos pequenos empresários, 22,8% não sentem dificuldades para comercializar online, já 26,3% dos empresários relatam que possuem dificuldades de postar conteúdos com frequência, seja por falta de tempo, hábito ou, ainda, por falta de conhecimento e familiaridade com as tecnologias. A alta concorrência de empresas do mesmo setor nas mídias é outro dificultador (7%).

Uma parcela de 14% dos empresários atribuiu a dificuldade de ampliar as vendas ao cenário externo – falta de dinheiro para investimentos na área, altos custos do marketing, fidelização pelas mídias e a própria estrutura de negócios.

Investimentos

O quantitativo de empresas que investiram neste trimestre foi bem superior ao trimestre anterior (30,3% no 2º tri/21 contra 19,7% no 1º tri/21), e segue como mais um indicador de confiança na retomada da economia por parte dos empresários, já que no 2º trimestre do ano de 2020, início da pandemia, esse quantitativo foi de cerca de 10%. Entre os investimentos realizados, destacam-se os realizados em maquinários, em equipamentos e em melhorias na infraestrutura das empresas.

Expectativas 

As expectativas para o próximo trimestre são positivas e os empresários têm sido bastante realistas em suas projeções. Para o terceiro trimestre de 2021, os empresários esperam-se um aumento ainda mais significativo de vendas, de 68,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.