Produção de pitaya amplia na região Sul

Área plantada equivale a quase 200 hectares, o que representa um crescimento expressivo no número de agricultores. Atualmente, são cerca de 120 que se dedicam à cultura

Foto: Guilherme Cordeiro/ TN
- PUBLICIDADE -

Forquilhinha

Além do formato diferenciado e atrativo, a pitaya conquista inúmeros paladares. A produção, que tem crescido exponencialmente em Santa Catarina, principalmente nas regiões Carbonífera (Amrec), de Laguna (Amurel) e do Extremo Sul (Amesc), que juntas, representam 90% do cultivo em todo o Estado, tem animado os agricultores que se dedicam à cultura. O desenvolvimento da fruta ao longo dos anos tem refletido, também, no crescimento econômico desses produtores, que tem o plantio como fonte de renda.

- PUBLICIDADE -

“Estamos na segunda, terceira florada da cultura. Como é uma fruta relativamente jovem na nossa região, ainda tem alguns pomares que não estão produzindo ou estão em fase inicial. Mas já temos alguns em fase adulta, então, a pitaya, por hectare, tem condições de produzir 30, 40 toneladas. A gente crê que a média esteja entre 15 e 20 toneladas, isso resulta, anualmente, em uma produção de três a quatro mil toneladas de pitaya por safra na região”, enfatiza o engenheiro agrônomo e responsável pelo projeto Fruticultura no Sul de Santa Catarina, Diego Adilio da Silva.

O engenheiro agrônomo ainda explica que a pitaya, assim como o maracujá, inicialmente foram cultivados no Sul com o objetivo de ocupar as áreas plantadas pelo fumo. Muitos agricultores viram nessas culturas, uma mudança positiva no ramo do agronegócio, principalmente por ser mais rentável. “Isso resulta muito pelo fomento de programas governamentais sobre a diversificação da cultura do tabaco. E até pelo clima, é uma região propícia para a produção pitaya”, acrescenta.

Safra chegar a quatro mil toneladas

A tendência para esta safra é representar um crescimento significativo em termos de quantidade. “Com a maturidade dos pomares, no ano passado ficou em 15 toneladas por hectare, então resultou de 2,5 a três mil toneladas do fruto comercializadas. Neste ano, temos potencial de atingir quatro mil toneladas”, analisa o engenheiro. Conforme dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), a pitaya cresceu exponencialmente, tanto o tamanho da área como o número de produtores. “No nosso último levantamento oficial, tínhamos cerca de 177 hectares, mas com o nosso acompanhamento em campo e pela produção, a gente crê que tenha pelo menos 200 hectares de pitaya  plantados na região”, ressalta o engenheiro agrônomo.

Valores comercializados são mais baixos

Atualmente, entre 80 e 120 agricultores se dedicam à produção da pitaya no Sul catarinense. Desses, a maioria cultiva e comercializa em supermercados, feiras e fruteiras. “Quando ela começou a ser plantada aqui na região como fonte de renda, chegou a se vender a fruta a R$ 10, posteriormente, ela foi para R$ 8 o quilo. No ano passado e retrasado ficou entre R$ 5 e R$ 6, e hoje, está entorno de R$ 2,50 a R$ 3. Mudaram bastante os valores, aumenta a oferta, a tendência é que o mercado vá se regulando”, finaliza Da Silva.

Safra supera a do ano passado

Diamor Manentti Piccolo produz cerca de mil pés em aproximadamente um terço de hectare, em um terreno localizado na Linha São José, em Forquilhinha. O agricultor iniciou a plantação em 2016, e desde então, tem se dedicado ainda mais à cultura. Atualmente, cultiva e comercializa em fruteiras e atacados. Como o clima foi favorável em 2021, a safra deve superar as expectativas. “Esse ano está chovendo mais que o ano passado, isso ajuda a produção. Com isso, está sendo melhor que o ano passado”, explica.

Dependendo da quantidade, o valor varia. Atualmente, o quilo das frutas cultivadas por Piccolo é vendido a R$ 5.  Com uma plantação adulta que resulta em aproximadamente 12 kg por pé, o produtor deve ampliar a área plantada em mais um terço do que já cultiva. Piccolo ainda relembra que a propriedade onde produz é herança do seu pai, Aquilino Piccolo, um dos fundadores da feira livre de Criciúma. “Tradição na fruticultura”, finaliza o agricultor.

BENEFÍCIOS DA PITAYA

  • AJUDA NA DIGESTÃO;
  • COMBATE DOENÇAS CARDIOVASCULARES;
  • REGULA O INTESTINO;
  • COMBATE A ANEMIA;
  • REGULA A PRESSÃO ARTERIAL;
  • PROTEGE AS CÉLULAS DO ORGANISMO.
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.