Pedem se torna Lei Municipal em Criciúma

Projeto foi aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores e estará em vigência pelos próximos 15 anos

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Desenvolvido durante nove meses, em parceria com o Sebrae, o Plano de Desenvolvimento Econômico (Pedem) virou lei nº 7.911 em Criciúma. O documento, reunindo as principais demandas de seis setores do Município, foi aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores e publicado no Diário Oficial.

A lei institui que a administração pública municipal deve acompanhar o plano pelos próximos 15 anos e atualizá-lo a cada seis meses. “É um legado para Criciúma. O governo não está pensando só no agora. Estamos pensando no futuro da nossa cidade e garantindo que todas as ideias e anseios da população e empresários continuem sendo executadas e atendidas”, disse o diretor de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação, Aldinei Potelecki.

- PUBLICIDADE -

O documento foi construído após uma série de entrevistas e encontros com representantes dos eixos da cerâmica, moda, comércio, tecnologia, construção civil e educação do município. “É um projeto feito por várias mãos, que contém as oportunidades e desafios sobre a nossa cidade e servirá como um guia”, comentou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma, Tiago Colonetti Marangoni.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Sul Catarinense (Sinduscon), Mauro Sônego, também destaca a importância do projeto para Criciúma. “Ter um Plano de Desenvolvimento Econômico faz toda a diferença no resultado da qualidade de vida de sua população e das cidades vizinhas. O Sinduscon procurou colaborar na elaboração deste planejamento com o olhar voltado não apenas para a Construção Civil, mas para as necessidades de toda a sociedade”.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.