Índices apontam retomada econômica de Santa Catarina em meio à pandemia

Os principais indicadores mostram a recuperação dos setores que compõem a base econômica do Estado

Fotos: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Apesar dos efeitos da pandemia de Covid-19, Santa Catarina consolida a trajetória da retomada do crescimento em 2021. Os principais indicadores mostram a recuperação dos setores que compõem a base econômica do Estado. Com isso, a taxa de desemprego segue a mais baixa do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Enquanto a média nacional de desocupação fechou o primeiro trimestre do ano em 14,7%, em Santa Catarina o índice ficou em 6,2%, menos da metade do registrado no resto do país.

O governador Carlos Moisés ressalta outro dado positivo. Entre janeiro e abril deste ano, o Estado catarinense criou quase 100 mil vagas de emprego formais. É a maior variação do país, se considerados os dados relativos ao estoque de empregos.

- PUBLICIDADE -

“A criação de empregos indica que estamos no caminho certo, de proteger os setores econômicos durante este período pandêmico. Santa Catarina possui uma economia diferenciada e estamos prontos para decolar assim que pudermos voltar 100% à normalidade. Mesmo durante esse período difícil, estamos conseguindo crescer, o que indica um cenário mais favorável a partir do segundo semestre, especialmente com o avanço da vacinação”, afirma Carlos Moisés.

Segundo o Boletim de Indicadores Econômico-Fiscais, divulgado pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE), o PIB catarinense cresceu 2,9% entre abril de 2020 e março de 2021, mesmo com a pandemia. Para o secretário Luciano Bulligon, da SDE, o desafio é seguir mantendo a atratividade do Estado:

“Temos os melhores índices econômicos atestados pelos indicadores oficiais, como IBGE e o Ministério da Economia. Nosso desafio é manter Santa Catarina com números acima da média nacional. Nossa receita para que isso se mantenha é cuidar da saúde das pessoas, fortalecer, cada vez mais, um trabalho integrado com o setor produtivo e entidades para atrair novas empresas, apostar na inovação para soluções efetivas e gerar emprego à população”.

Crescimento por setores

No caso da indústria, Santa Catarina apresentou o maior crescimento do país no acumulado até abril, com uma expansão de 24,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. Trata-se do dobro da média nacional (12,15). O comércio varejista ampliado, que engloba todas as atividades, inclusive materiais de construção e veículos, também cresceu 36,8% em Santa Catarina em abril, na comparação com o mesmo período de 2020.

No agronegócio, Santa Catarina segue como maior exportador de carne suína do Brasil, com 227,6 mil toneladas comercializadas para o exterior entre janeiro e maio (+14,7% em relação ao ano anterior). Em relação às exportações de frango, houve uma retomada do crescimento em maio, com um aumento de 13% no faturamento em relação a abril.

“O agronegócio catarinense vive um momento muito especial. A agroindústria segue investindo e ampliando sua capacidade produtiva. É algo que demonstra a pujança do nosso Estado. Os produtos catarinenses são símbolo de qualidade mundo afora”, diz o secretário de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.