Criciúma: CDL em busca da digitalização

Novo presidente para o biênio 21/22, Tiago Colonetti Marangoni, quer colocar a entidade criciumense com mais força na internet e serviços digitais

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

A pandemia serviu como um grande aprendizado para lojistas e prestadores de serviços. Todos precisaram se adequar ao comércio online como forma de manter faturamento em um período de pouco movimento e sem aglomerações nas ruas. Com a situação de atendimento presencial adaptada às exigências de combate ao novo coronavírus, o novo presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma, Tiago Colonetti Marangoni, quer usar a experiência para inserir a entidade no universo online. “A CDL quer se digitalizar. Não adianta só falar para os associados: ‘gente, entrem no mundo online. Vamos fazer venda por e-commerce, Mercado Livre, WhatsApp e Instagram’, se a CDL não olhar para dentro de si. Vamos começar dando uma boa melhorada nos processos para trabalhar melhor essa parte digital”, destaca.

A intenção é, inclusive, desenvolver uma plataforma de negócios própria da CDL Criciúma. “Estamos pensando em trazer alguns produtos novos, que são importantes para o lojista e o associado. Eles têm muitos problemas e a gente pode ajudar. Estamos atentos à isso”, ressalta.

A integração entre o comércio online e presencial também está no radar da nova diretoria da CDL. Tudo isso para proporcionar uma experiência de compra positiva para as pessoas. “O consumidor quer facilidade e não apenas o preço barato. Ele quer entrega rápida, prazo e qualidade do produto. Se o consumidor ver que, na loja local, perto da casa dele, tem um produto, ele se interessa. Até porque ele poderá retirar na hora e pegará rápido de carro. A gente tem que facilitar o processo e estamos trabalhando bastante isso com o lojista”, destaca Marangoni.

O presidente da CDL Criciúma afirma que o toque pessoal é importante para o lojista reter os clientes. “Não é só o e-commerce. As pessoas não querem só comprar e receber uma caixa: elas querem uma experiência de compra. Por isso que necessita de um toque pessoal na rede social também. Não é só anunciar produto: é comunicar bem. É importante os lojistas terem um toque pessoal e, quando a pessoa for à loja física, dar uma boa experiência de compra. A pessoa quer sair de casa, encontrar outras pessoas e o comércio é um local para isso também”, pontua.

Retomada dos projetos que estão parados

Para 2021, a intenção do novo presidente da CDL Criciúma é retomar os projetos que ficaram estagnados em função da pandemia. “Vamos fazer muitos eventos, seja presencial, quando possível, ou online. Vamos dar força nisso. Vamos fazer treinamentos, vídeos e ofertas de material ao associado para ele se capacitar e se qualificar. A gente vai dar muita ênfase nisso”, comenta.

Algumas ideias já em vigência serão mantidas e aprimoradas. “Queremos fazer mais eventos como o Presentão de Natal, onde entregamos 100 vale-compras de 500 reais cada. Queremos ampliar isso. Temos que prestigiar o consumidor do nosso associado. Temos que fomentar isso. Temos que trazer positividade e ser o emissor da notícia boa”, pontua.

Outra iniciativa que foi executada em 2019 e será retomada, assim que a pandemia tiver um cenário menos caótico, é a CDL nos Bairros, como forma de engajamento do comércio de bairro. “Os comércios locais cresceram na pandemia. As pessoas valorizaram os negócios dos bairros para fazer pequenas compras. Isso mudou a forma de consumo das pessoas. Temos que olhar para o nosso negócio e ver como o produto se encaixa”, diz.

Os eventos também conscientizam os empresários para os investimentos necessários para crescimentos dos negócios.“A gente gosta de eventos presenciais porque engajam e, desta forma, a gente consegue engajar os donos dos negócios e conscientizá-los que é importante investir em atendimento e conteúdo. Temos que preparar as pessoas”, comenta.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.