Estadual: deputado de SC lembra de professoras mortas em ataque

Keli e Mirla foram duas das cinco vítimas do ataque na escola infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades

Professora e agente educacional morreram no atentado a creche em Saudades, no Oeste de SC – Foto: Arquivo/ND

- PUBLICIDADE -

O deputado estadual Valdir Cobalchini (MDB-SC) homenageou às duas professoras mortas no massacre de 4 de maio na escola infantil Pró-Infância Aquarela, em Saudades, no Oeste de Santa Catarina.

Em uma publicação no Facebook, o parlamentar lembrou da professora Keli Adriane Aniecevski, 30 anos, e a agente educacional Mirla Renner, de 20 anos, duas das cinco vítimas mortas no ataque. “Não poderia deixar de prestar minha homenagem a duas verdadeiras heroínas: graças às Professoras Keli e Mirla, muitas vidas foram salvas e a tragédia não foi ainda maior”, escreveu.

- PUBLICIDADE -

> Clique aqui e receba as principais notícias do sul catarinense no WhatsApp

Cobalchini escreveu ainda que esteve em Saudades uma semana após a tragédia. “A dor ainda era possível de ser sentida. Todo o pequeno município foi afetado pelo massacre covarde das crianças e professoras. Mas a fé em Deus e a união das pessoas está permitindo que eles possam seguir”, completou.

Keli trabalhava na unidade havia cerca de 10 anos. Já Mirla Renner trabalhava como agente educacional na creche. Ela completou 20 anos em janeiro deste ano. Três crianças com menos de dois anos também morreram atingidas por golpes a faca. “Keli e Mirla mostraram do que Professores são feitos: do mais puro heroísmo. Toda minha gratidão e respeito a estes profissionais. Sem vocês, nada mais seria possível. Muito obrigado! Feliz Dia dos Professores!”, finalizou o parlamentar de São Lourenço do Oeste (SC).

*Com informações do ND+

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.