SC: Preso suspeito de roubos em salas comerciais e estupro em São José

Prisão foi efetuada pela Polícia Militar no sábado

Foto: Divulgação/ PM e PC
- PUBLICIDADE -

Florianópolis/ São José

Está preso um homem suspeito de praticar crimes em salas comerciais no Centro de Florianópolis e em São José. A investigação foi feita pela Polícia Civil e a prisão aconteceu no sábado (24) pela Polícia Militar. Uma arma foi apreendida.

- PUBLICIDADE -

A investigação é da Delegacia de Repressão a Roubos (DRR) da Capital e envolveu também a Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI) e o Núcleo de Inteligência de São José. Com a ação conjunta então foi possível a sua identificação. A Polícia Civil pediu a sua prisão, que foi deferida pela Justiça.

Foram três roubos em salas comerciais: um em São José e dois em Florianópolis, crimes ocorridos entre os dias 16 e 19 de outubro. O estupro foi em uma sala comercial em São José. Segundo a Delegada de Polícia Ana Cláudia Pires, o preso é um homem de 23 anos que se apresentava como supostamente sendo policial civil ou policial militar – mas ele não era policial e a informação era falsa. Em todos os casos alegava a existência da denúncia de drogas no ambiente como um subterfúgio para ter acesso, só que na verdade exigia dinheiro, documento e celulares das vítimas.

Com a troca das informações através do Núcleo de Inteligência de São José, formado por policiais civis, militares e guardas municipais foi possível conseguir imagens e a identificação do suspeito, que foi reconhecido pelas vítimas. Após ser preso, o homem foi encaminhado ao sistema prisional. Ele possui antecedentes por roubo no Rio Grande do Sul, entre os anos de 2016 e outubro de 2019.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.