Operação Divisa II é deflagrada contra organização criminosa no RS e SC

São cumpridos quase 60 mandados de busca e apreensão pelos órgãos de segurança no Sul catarinense e Norte gaúcho

- PUBLICIDADE -

Foi deflagrada no início da manhã desta sexta-feira, dia 25, a Operação Divisa II, pela Brigada Militar, Polícia Militar de Santa Catarina e Ministério Público, com foco no combate a uma organização criminosa que age com tráfico de drogas, de armas e com lavagem de dinheiro no Sul de Santa Catarina e Norte do Rio Grande do Sul.

São cumpridos 49 mandados de busca e apreensão e sete de prisão, nos municípios gaúchos de Torres, Osório, Porto Alegre, Novo Hamburgo e Camaquã, e em Passo de Torres e São João do Sul no território catarinense.

- PUBLICIDADE -

A Operação Divisa II é liderada pelo comandante do 2º BPAT, major Aurélio da Rosa, e envolve 350 agentes de segurança da Brigada Militar e da Polícia Militar de Santa Catarina. Integram a Operação efetivos do 2º BPAT, das seções de Inteligência do CRPO Litoral e do Estado-Maior da Brigada Militar, Corregedoria-geral, 8º BPM, 1ºBPCh, Batalhão de Aviação, Comando Ambiental, do Comando da 6ª Região de Polícia Militar e 19º BPM de SC e o Ministério Público de Torres. A Polícia Rodoviária Federal prestou apoio no lançamento da operação.

O balanço da Operação será informado pelo major Aurélio, por meio de live no Facebook do CRPO Litoral em horário ainda a ser divulgado. A transmissão será feita da Companhia Policial da BM em Torres.

A Operação Divisa II da BM e PM SC já prendeu nove pessoas nesta manhã, sendo seis por mandados e três flagrantes. As prisões em Torres e Porto Alegre no RS e São João do Sul e Passo de Torres em SC foram por tráfico de drogas e de armas, além do comércio de dinheiro falso.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.