Nacional: Casal é condenado por matar 3 filhos recém-nascidos no Paraná

A ré escondia as gestações, era negligente com os cuidados do pré-natal e, assim que nasciam, matava os filhos por asfixia em coautoria com o pai

Foto: Reprodução
- PUBLICIDADE -
Um casal denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR) pela morte de três filhos recém-nascidos em 2010, 2013 e 2016 foi condenado recentemente. A decisão foi do Tribunal do Júri de Salto do Lontra, no Sudoeste do Estado.
A denúncia foi apresentada em janeiro de 2017 pela Promotoria de Justiça da comarca e apontou também o crime de ocultação de cadáver. A mãe Marli Cavalheiro Risso foi acusada de executar materialmente os crimes, e o pai Laudecir Aguiar, de instigar, ajustar e determinar a prática criminosa, pois ambos não desejavam ter mais filhos.
Conforme a denúncia, a ré escondia as gestações, era negligente com os cuidados de pré-natal e, logo após o nascimento, matava os filhos por asfixia em coautoria com o pai. Antes dos assassinatos, o casal teve outros cinco filhos.
Após a denúncia criminal pelo MPPR, os dois se mudaram para outra cidade. Em dezembro de 2018, a mulher ainda deu à luz a mais uma criança.
Da mesma forma que nas gestações anteriores, os réus esconderam a gravidez e negligenciaram os cuidados médicos, levando a equipe da rede de proteção, diante de alguns indicativos concretos do caso, a acreditar que o casal cometeria os mesmos atos violentos contra o filho.
Por intervenção do MPPR, a criança foi encaminhada à família substituta, com a extinção do poder familiar dos pais biológicos. A mulher recebeu pena de 63 anos e 8 meses de reclusão, enquanto que o homem foi apenado com 48 anos e 4 meses de reclusão, por ter sido absolvido da prática do primeiro homicídio.
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.