Homem é condenado a 22 anos de prisão por morte de jovem em Garopaba

O réu foi condenado por homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, e pelos crimes de lesão corporal e violação de domicílio

- PUBLICIDADE -

Sessão do Tribunal do Júri promovida nesta semana (22), na comarca de Garopaba, condenou um homem a 22 anos de prisão por homicí​dio qualificado e lesão corporal. A sessão, presidida pela juíza substituta Mariana Medeiros Lenz, ocorreu na Câmara de Vereadores de Garopaba e respeitou todas as medidas de saúde relacionadas ao combate à Covid-19.​ Quatro testemunhas foram ouvidas por videoconferência. Elas estavam nas cidades de Florianópolis, Governador Celso Ramos, Garopaba e uma no estado do Paraná. Iniciado às 9h, o julgamento encerrou às 22h.

Segunda a denúncia, o crime aconteceu em 15 de fevereiro de 2018, no bairro Areias do Macacu, quando o réu invadiu a casa de sua ex-companheira, após arrombar a porta, para agredi-la. A vítima conseguiu se desvencilhar do réu que, neste momento, avistou um jovem de 17 anos, amigo da família de sua ex, dentro da residência. Ele investiu contra o rapaz para bater violentamente sua no chão diversas vezes, além de desferir um golpe de faca na região lombar esquerda. A vítima foi socorrida e ficou internada 12 dias, mas morreu por conta das lesões, que provocaram traumatismo crânio-encefálico.

- PUBLICIDADE -

O réu foi condenado por homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, e pelos crimes de lesão corporal e violação de domicílio. Sua pena foi fixada em 22 anos, dois meses e vinte dias, em regime inicial fechado, e sete meses de detenção, em regime inicial semiaberto. O homem estava preso preventivamente desde o dia do crime e teve negado o direito de recorrer em liberdade. Cabe recurso da decisão (Ação Penal 0000278-15.2018.8.24.0167).​

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.