Funcionários da Prefeitura de Imbituba são presos após desvios na Saúde

Um dos homens foi flagrado com 45 mil luvas cirúrgicas furtadas da secretaria municipal de Saúde; mercadoria seria vendida no Rio Grande do Sul

Foto: Polícia Civil
- PUBLICIDADE -

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul prendeu, nesse sábado (03), dois funcionários da secretaria Municipal de Saúde de Imbituba pelo crime de peculato. O flagrante ocorreu em Santa Maria, no estado vizinho, durante a receptação de cerca de 45 mil luvas que foram furtadas pela dupla no município catarinense.

Os objetos desviados do SUS (Sistema Único de Saúde) estavam divididos em 450 caixas dentro do carro de um dos detidos. O material foi avaliado, segundo nota fiscal, em R$ 8,1 mil.

- PUBLICIDADE -

Um dos presos era funcionário comissionado da prefeitura. Segundo o executivo, os homens de 39 e 34 anos “serão exonerados sumariamente pela administração municipal”. Eles responderão pelo crime de peculato, que se caracteriza pela ação de agentes públicos se apropriarem de bens em virtude dos cargos que ocupam.

Suspeita de tráfico

O veículo foi abordado na BR-158, próximo a um condomínio residencial, após denúncia de que estaria transportando drogas. Agentes do Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) monitoravam o carro que, no momento da abordagem, abrigava apenas um dos homens.

Os policiais, então, realizaram a vistoria no veículo e constataram que o homem portava as caixas de luvas cirúrgicas. Em depoimento, ele confessou que havia furtado os objetos com a ajuda do funcionário comissionado na prefeitura.

Após confessar ser receptador da mercadoria, o outro homem também foi preso. As investigações seguem sendo realizadas pela delegada Alessandra Padula, em Santa Maria.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.