Florianópolis: Operação investiga construções irregulares na capital

São alvos da Polícia Civil construtores, políticos e funcionários públicos

Operação cumpre mandados em municípios catarinenses e no Paraná (Foto: Divulgação)
- PUBLICIDADE -

Uma investigação da Polícia Civil de Santa Catarina apura ilícitos envolvendo construtores civis, políticos e servidores públicos municipais em Florianópolis. A dita organização criminosa é suspeita de corrupção por viabilizar construções irregulares e ocupação desordenada do solo urbano na capital do Estado.

A Operação “Mecanismo Verde” foi deflagrada na manhã de hoje para cumprir 35 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça em Florianópolis, Balneário Camboriú (01), São José e em Londrina (02), no Paraná.

- PUBLICIDADE -

A ação é da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais (DRCA) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC). Os servidores públicos municipais investigados atuam ou atuavam nas Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Planejamento e Desenvolvimento Urbano (SMDU), Secretaria Municipal da Fazenda e na Fundação Municipal do Meio Ambiente (FLORAM).

A investigação da Civil começou em 2019. Os crimes investigados são organização criminosa, corrupção, crimes ambientais, parcelamento irregular do solo urbano, crimes contra a economia popular e outros, ocorridos desde o ano de 2018.

A capital do Estado tem um histórico de construção de loteamentos irregulares e de exploração imobiliária irregular, sustentada por supostas fraudes e suspeitas de corrupção nas atividades investigadas.

Essa atuação ilegal, além de acarretar sérios danos ao meio ambiente, proporciona um crescimento desordenado e um prejuízo imensurável à sociedade, pois o planejamento urbano e os serviços sociais disponíveis não acompanham o crescimento populacional, gerando bolsões de pobreza, ausência de saneamento básico e aumento da criminalidade.

Além disso, adquirentes dos imóveis irregulares são ludibriados com a falsa promessa de futura regularização e individualização dos imóveis prometidas por corretores de imóveis e construtores, em servidões muitas vezes sequer reconhecidas oficialmente pelo próprio poder público municipal. Participaram da operação 120 policiais civis da DEIC, de Balneário Camboriú, da Diretoria de Polícia da Grande Florianópolis (DPGF) e policiais civis da PC-PR de Londrina.

As informações são da Polícia Civil.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.