Estadual: Homem viaja 500km escondido em caminhão após ter carona negada

Segundo a PRF, ele foi encontrado agarrado e deitado entre o tambor de ar e o chassi do veículo

Foto: Polícia Rodoviária Federal (PRF)
- PUBLICIDADE -

Xanxerê

Um homem viajou quase 500 quilômetros escondido em um caminhão, após ter o pedido de carona recusado pelo motorista do veículo. Ele foi descoberto pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), durante uma abordagem. Após a ocorrência, o homem fugiu em direção ao mato. O fato foi registrado na madrugada desta sexta-feira, dia 26, em Xanxerê.

- PUBLICIDADE -

Segundo informações do policial rodoviário federal Heraldo Kraschinski, que atendeu a ocorrência, na madrugada a PRF recebeu uma ligação do motorista do caminhão. O condutor relatou aos policiais que havia saído de Navegantes, litoral catarinense, por volta das 17h, e na saída um homem pediu carona. Por não conhecer a pessoa, não atendeu ao pedido e seguiu viagem.

Em Ponte Serrada o motorista parou para lanchar, por volta de 23h30. No momento que comia, para a surpresa do condutor, o homem que havia pedido carona parou do lado dele. O motorista pagou um lanche para o indivíduo e rapidamente seguiu viagem.

Ao chegar em Xanxerê, o motorista ligou para a PRF e relatou o ocorrido, pois estava com medo que o homem estivesse em alguma parte do veículo. Os policiais realizaram a abordagem e com auxílio da lanterna procuraram por todas as partes do caminhão. Segundo o policial que atendeu a ocorrência, ele foi encontrado agarrado e deitado entre o tambor de ar e o chassi do caminhão.

Após convencer o homem a deixar o local, ele fugiu em direção ao mato e não foi mais encontrado. O motorista seguiu viagem para Chapecó.

Com informações do Jornal da Fronteira

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.