Dois homens são condenados por matar taxista de Urussanga

Eles foram sentenciados, respectivamente, a 27 e 31 anos de reclusão

Divulgação/Arquivo
- PUBLICIDADE -

Urussanga

Dois homens foram condenados pela Justiça de Urussanga por latrocínio e ocultação de cadáver a um taxista. O crime ocorreu em janeiro deste ano. O Ministério Público (MP) havia representado pela condenação dos rapazes e a sentença a um deles foi de 27 anos e 10 meses de reclusão, enquanto o outro foi sentenciado a 31 anos e 4 meses de prisão, também em regime inicial fechado.

- PUBLICIDADE -

A ação do MP consta no documento que os autores do crime se reuniram no dia 14 de janeiro para usar drogas, mas não tinham dinheiro. Dessa forma, eles resolveram assaltar o taxista Joãozinho Bellucco. O corpo da vítima foi encontrado em avançado estado de decomposição dias depois, em um matagal.

Conforme denúncia apresentada pelo Promotor de Justiça Elias Albino de Medeiros Sobrinho, no trajeto da suposta corrida, na rodovia SC-445, ainda em Urussanga, os criminosos anunciaram o assalto e ordenaram a Joãozinho que parasse o veículo. Ali amarraram as mãos da vítima, cobriram sua cabeça com uma fronha e um saco plástico e roubaram seu celular, sua aliança e cerca de R$ 700,00 em dinheiro.

Em seguida, colocaram o taxista no banco de trás do veículo e se dirigiram para um local ermo – uma área isolada e cercada por mato na estrada que dá acesso ao Morro da Lagoa – onde um dos homens asfixiou o taxista utilizando uma corda de varal. Em seguida, os réus esconderam o corpo da vítima no mato, debaixo de pedaços de madeira e galhos de árvore.

Na sequência, em poder dos objetos roubados, os criminosos fugiram com o veículo da vítima, que foi abandonado e incendiado em outro lugar, com a intenção de destruir qualquer vestígio que os pudesse incriminar. O automóvel foi encontrado no dia seguinte. O corpo de Joãozinho, porém, só foi achado quatro dias depois pelo seu filho, que organizou buscas na região com ajuda de parentes.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.