Criciúma: Mãe acha bala de fuzil no chão de quarto de bebê após assalto

Família relata mudança de rotina e marcas deixadas após o assalto que aterrorizou a cidade do Sul de Santa Catarina

Foto: Divulgação/ ND
- PUBLICIDADE -

Criciúma

30 de novembro de 2020, 23h. Tudo normal. Mariana Benedet leva o pequeno Pedro Henrique, de oito meses, para dormir no quarto dele. Meia hora depois, a criança chora e ela traz o menino para dormir no seu quarto, junto com o marido, Richard Baldessar.

- PUBLICIDADE -

Por volta da meia-noite, acordam com um barulho: Baldessar levanta, mas não encontra nada. Mesmo com barulho intenso nas ruas, voltam a dormir, imaginando que fosse alguém estourando foguete.

Na manhã seguinte, ela vai até o quarto do menino e encontra o vidro da janela quebrado e uma bala de fuzil no chão. “Eu fiquei histérica, nervosa”, relembra Mariana, que ligou para a polícia.

Desde então, a rotina não tem sido a mesma. “É desesperador, no quarto de um filho, poderia em qualquer outro lugar. Poderia ter atingido alguém. Se tivesse alguém na janela teria sido atingido”, relata.

O apartamento fica em torno de um quilômetro de distância da agência bancária atacada pelos bandidos.  “A gente ainda está se recuperando. O meu marido está abalado. Mas vai passar, graças a Deus que ninguém foi atingido”, desabafa Mariana.

Com informações do site ND Mais

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.